Regras do Governo brasileiro para caipirinha aplaudidas por "barmans" em Portugal


 

Lusa/AO online   Nacional   8 de Nov de 2008, 10:12

"Experts" da caipirinha em Portugal concordam com a instrução normativa divulgada pelo Ministério da Agricultura do Brasil que regulamenta o modo ideal de preparar a mais famosa bebida brasileira.
Ao contrário do Brasil - onde muitos se colocaram contra as normas do governo por considerar que a bebida deve ser preparada ao gosto de cada um -, especialistas em Portugal acreditam que a tradição na confecção da caipirinha deve ser mantida.

    "Concordo com a normativa do governo. A verdadeira caipirinha brasileira tem que ser feita com metade de um limão, lima como chamamos aqui em Portugal, uma colher de sopa de açúcar cristal, gelo e completa-se com cachaça", disse o barman brasileiro J. Batista, de um restaurante brasileiro em Lisboa.

    O ministro brasileiro Reinhold Stephanes assinou o "regulamento técnico para a fixação dos padrões de identidade e qualidade da caipirinha", publicado a 31 de Outubro, no Diário Oficial da União.

    "Tudo que foge ao padrão, não é caipirinha. Na minha opinião, as bebidas que existem com outras frutas - maracujá, morango, uva, caju - são cocktails, ou como chamamos caipiroska, que podem ainda ser feitas com vodka. Concordo com a normativa, deve-se manter a tradicional caipirinha brasileira, feita com açúcar, lima, cachaça e gelo", argumentou o barman Dauto Silva, brasileiro que trabalha há vários anos em um restaurante lisboeta.

    As normas para a preparação da "bebida típica do Brasil", segundo o Ministério da Agricultura do Brasil, são bastante específicas, determinando, por exemplo, que a caipirinha deve conter uma graduação alcoólica de 15% a 36% em volume, isso se estiver a 20ºC. Pode-se ainda acrescentar água aos itens tradicionais, para se chegar aos níveis etílicos estabelecidos pela norma.

    Ainda na instrução normativa, com 12 artigos, a fruta (lima) deve render 1 por cento de sumo com um mínimo de 5 por cento de acidez. Já a quantidade de açúcar - que só pode ser utilizado nas formas cristal, sacarose, invertido e glicose - encaixa-se na proporção entre 10 e 150 gramas por litro.

    Os dois barmans apontam que a caipirinha é "uma das bebidas preferidas entre os portugueses".

    "Cerca de 70 a 80 por cento dos clientes do restaurante pedem caipirinha como aperitivo de entrada. É uma bebida muito aprecida pelos portugueses. Alguns clientes até pedem a caipirinha com outras frutas, mas é muito raro. A tradicional prevalece", referiu o barman Dauto Silva .

    Em Portugal, a caipirinha é feita com gelo picado, diferente do Brasil, onde a refrescante bebida é confeccionada com gelo em cubos.

    "No Brasil, o gelo em cubos é mais utilizado porque com o calor, demora mais para derreter. Aqui, em Portugal, como é mais frio, tornou-se hábito fazer a caipirinha com gelo picado. Até alguns brasileiros já se adaptaram e pedem desta forma", contou o barman Batista.

    Um dos segredos da boa caipirinha é amassar o suficiente a lima para libertar o sumo, mas não a acidez da casca da fruta.

    "A lima deve ser bem verde para se obter um bom resultado. Deve-se também misturar muito bem todos os ingredientes e, depois, é só saborear", concluiu Batista.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.