Copenhaga

Quercus considera que acordo anunciado é "falsa partida"


 

Lusa / AO Online   Internacional   19 de Dez de 2009, 08:51

O acordo anunciado sexta-feira à noite na cimeira mundial sobre o clima, em Copenhaga mas que ainda está por aprovar em plenário é "uma falsa partida" e pode não ter o apoio de todos os líderes mundiais, considerou hoje a Quercus.

Numa nota enviada a Agência Lusa, a organização ambientalista Quercus considera que o acordo anunciado por alguns líderes políticos, antes de este ser aprovado em plenário pelas 192 países que participam nas negociações, é "uma falsa partida e não é claro que tenha o apoio de todos os líderes mundiais".

Apesar "do que os líderes políticos estão a dizer neste momento", a organização portuguesa salienta que "este desenvolvimento não torna o trabalho quase feito", considerando que o acordo está "longe de ser justo e vinculativo" e tem "muitas lacunas".

"Os líderes falharam em conseguir um verdadeiro acordo como prometido. Ignoraram a ciência e guiaram-se por interesses nacionais. Estamos perante um atraso com muitos custos, que podem ser medidos em vidas humanas e em dinheiro perdido", critica.

No entender da Quercus, o financiamento acordado representa "menos que os subsídios dos países às indústrias de combustíveis fósseis", enquanto que os objectivos para reduzir a poluição "mantêm-nos no caminho que a ciência diz levar a um aumento catastrófico de temperatura".

Segundo a Quercus, os "líderes mundiais precisam de repensar este acordo", já que "tal como está, irá desmoronar-se assim que analisado com mais atenção".

A organização ambientalista salienta ainda a necessidade de os responsáveis políticos se reunirem "novamente antes de Junho para resolverem os assuntos que ficaram pendentes agora".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.