Bolsa

PSI 20 fecha a subir 0,32% puxado pela PT


 

Lusa / AO online   Economia   18 de Nov de 2009, 17:22

O principal índice da bolsa portuguesa, o PSI-20, encerrou esta quarta-feira a subir 0,32 por cento, para 8.545,11 pontos, numa Europa mista, puxado pela PT.
Dos vinte títulos que compõem o PSI-20, oito encerraram a subir, dez a descer e dois terminaram inalterados, numa sessão em que trocaram de mãos 36,7 milhões de títulos, no valor de 102,2 milhões de euros.

A liderar as subidas estiveram a PT, subiu 2,62 por cento para 8,21 euros, e a Mota-Engil, que avançou 2,30 por cento para 4,17 euros.

Do lado das descidas, destaque para a Sonaecom, que cedeu 0,74 por cento para 1,86 euros, e para o BES, que deslizou 0,56 por cento para 4,91 euros.

A animar o PSI 20 na sessão de hoje esteve a PT, que avançou 2,62 por cento para 8,21 euros, um dia depois de ter apresentado os resultados dos primeiros noves meses do ano, que superaram as estimativas dos analistas.

No restante sector das telecomunicações, a Zon perdeu 0,34 por cento para 4,38 euros, enquanto a Sonaecom afundou 0,74 por cento para 1,86 euros.

A Zon anunciou na terça-feira, após o fecho da sessão, um lucro de 41 milhões de euros nos nove primeiros meses do ano, acima das previsões dos analistas.

Na energia, todos os títulos do sector encerram 'no vermelho'.

A REN perdeu 0,16 por cento para 2,99 euros e a Galp recuou 0,28 por cento para 12,40 euros.

Ainda no sector energético, a EDP cedeu 0,38 por cento e a EDP Renováveis perdeu 0,54 por cento para 6,57 euros.

Na banca, o BES recuou 0,56 por cento para 4,91 euros, o BPI desvalorizou 0,33 por cento para 2,40 euros e o BCP encerrou inalterado nos 0,92 euros.

Na Europa, as bolsas negociavam mistas. Madrid (0,63 por cento) e Frankfurt (0,29 por cento) seguiam em alta, enquanto Londres (-0,02 por cento) e Paris (-0,02 por cento) negociavam em terreno negativo.

O índice Euronext 100 perdia 0,11 por cento para 666,38 pontos e o índice DJ Stoxx 50 recuava 0,27 por cento para 2.530,06 pontos.

As bolsas europeias iniciaram a sessão em alta, com os investidores com as atenções viradas para os índices e licenças de construção nos EUA.

No entanto, estes indicadores saíram pior do que o esperado e acabaram por provocar uma inversão desta tendência positiva.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.