OE2019:

Proposta do Governo “não vai no bom caminho”, diz líder do CDS-PP

Proposta do Governo “não vai no bom caminho”, diz líder do CDS-PP

 

Lusa/Ao online   Nacional   20 de Out de 2018, 17:58

A presidente do CDS-PP disse este sábado que a proposta do Governo PS para o Orçamento do Estado para 2019 "não vai no bom caminho" e insistiu em benefícios fiscais para empresas e cidadãos do interior de Portugal.

"Este Orçamento do Estado não vai no bom caminho, não olha para a necessidade de um crescimento económico sustentável", disse Assunção Cristas aos jornalistas, durante uma visita à herdade do maior produtor de uvas de mesa em Portugal, no concelho de Ferreira do Alentejo, no distrito de Beja.

Segundo a líder do CDS-PP, o Orçamento do Estado para 2019 proposto pelo Governo também "não olha para a criação de emprego pelas empresas, porque são as empresas que criam emprego e que criaram emprego ao longo destes últimos anos".

A proposta de Orçamento do Estado para 2019 do Governo também "não traz medidas específicas para apoiar o investimento e sabemos que sem investimento privado não há economia a crescer de forma sustentável", disse.

Por isso, referiu Assunção Cristas, "o CDS-PP tem uma visão alternativa, rejeita este orçamento, mas levará ao parlamento as suas propostas para as várias áreas, mostrando que há outro caminho, há uma alternativa".

Segundo Assunção Cristas, na quinta-feira, no parlamento, vai ser discutido o pacote de estatuto de benefício fiscal para o interior que o CDS-PP propõe e que apresentou no passado mês de julho.

O CDS-PP entende que "é preciso que as pessoas que vivem no interior" lá "permaneçam" e que "outros se sintam atraídos para o interior" e "isto tem de ser feito de uma forma integrada, olhando não só mas também para a fiscalidade das empresas e das famílias", defendeu.

Uma redução de 50% da taxa de IRS a pagar por contribuintes residentes no interior do país, desconto nas portagens de autoestradas e redução para 10% da taxa de IRC a pagar por empresas localizadas no interior do país são algumas das medidas do pacote de estatuto de benefício fiscal proposto pelo CDS-PP e elencadas por Assunção Cristas.

O CDS-PP quer também que todos os benefícios e apoios ao investimento tenham "uma majoração" para investimentos realizados no interior, para que "quem está disponível para investir sinta que é melhor, é mais vantajoso investir no interior do país", disse.

Olhando para o OE para 2019, há uma redução na despesa total consolidada" do Ministério da Agricultura "na casa dos 8%", disse Assunção Cristas, frisando que "há apenas dois ministérios que reduzem" as despesas totais consolidadas e a "maior" redução" é a do Ministério da Agricultura.

"Isso não é um bom caminho" e o Governo "não está a dar o apoio que é necessário" e "está a falhar" com "vários setores" da agricultura, disse, rematando: "Tenho dito muitas vezes e volto a repetir: a agricultura é um parente pobre dentro deste Governo".




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.