Promoção de Portugal na China e na Coreia foi o "primeiro passo" na conquista do mercado asiático


 

Lusa / AO online   Economia   30 de Nov de 2008, 21:25

A semana de promoção de Portugal na China e na Coreia foi o “primeiro passo” de uma estratégia de conquista do mercado asiático, afirmou hoje, em Macau, o Secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade.
    O governante, que falava na abertura do 34º congresso da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo, que hoje teve início no território, garantiu que depois de uma primeira abordagem outras acções serão concretizadas em 2009.

    Primeiro, Portugal vai participar nas feiras de turismo de Pequim e de Xangai, respectivamente em Junho e Novembro de 2009, numa presença em que o Turismo de Portugal assumirá as despesas das empresas nacionais de inscrição para promover a sua participação.

    Por outro lado, Bernardo Trindade explicou que serão organizadas várias visitas a Portugal de operadores turísticos e de jornalistas chineses e coreanos, nas quais serão programados workshops de negócios com a participação das empresas nacionais interessadas nesses mercados.

    O lançamento de uma brochura em chinês e a tradução, até final de 2009, também para chinês do site do Turismo de Portugal foram outras medidas anunciadas por Bernardo Trindade para cativar o crescente mercado potencial de turismo da China.

    O secretário de Estado recordou que, anualmente, visitam Portugal cerca de 50.000 cidadãos chineses, número que reafirma querer duplicar em poucos anos, e 20.000 coreanos, cujo número quer triplicar em dois anos.

    “Temos de diversificar os nossos mercados e apostar crescentemente nos mercados emergentes”, disse, recordando que a TAP passará, a partir de Junho, a voar para Moscovo, Varsóvia e Helsínquia, três destinos que têm crescido na ordem dos dois dígitos e que integram uma aposta conjunta de vários organismos do sector.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.