Professores concordam com calendário do acordo ortográfico


 

Lusa/AO On line   Nacional   2 de Mar de 2010, 05:51

Os professores de português e a Fenprof concordam com o novo calendário proposto pela ministra da Educação para introduzir o acordo ortográfico nas escolas, mas defendem a necessidade de materiais de apoio para a adaptação dos docentes.

Isabel Alçada confirmou na semana passada o adiamento da entrada em vigor do acordo ortográfico nas escolas para o ano letivo 2011-2012 e considerou não haver necessidade de investir na formação de professores para esta adaptação.

Para Paulo Feytor Pinto, presidente da Associação dos Professores de Português (APP), a decisão da ministra merece concordância na medida em que também os novos programas de ensino básico só vão entrar em vigor na mesma altura.

"A nossa opinião de base é que o acordo deve entrar com os novos programas, que eram para 2010, mas como passaram para o ano seguinte, concordamos", disse à Lusa.

Relativamente à decisão de não investir em formação para os professores, Paulo Feytor Pinto considera que de facto não é necessária, uma vez que "não há muitas alterações de fundo" e por isso um "conhecedor da língua portuguesa não precisa de nova formação".

No entanto, sublinha a importância de disponibilizar na Internet, no site do ministério ou da APP, materiais que permitam a auto-formação dos docentes.

O secretário geral da Fenprof, Mário Nogueira, afirma por seu lado que, “em relação às questões que têm a ver com formação, [não se pode esperar] que as pessoas vão lendo e resolvendo os problemas".

Embora não defenda uma formação aprofundada, o sindicalista é da opinião de que deve haver cadernos ou textos de apoio, e não ficar à espera que o corretor do computador assinale a vermelho a palavra errada.

Relativamente ao calendário para introdução do acordo ortográfico, o sindicato mostra-se favorável, considerando que é positivo estabelecer um prazo que não seja imediato e que dê tempo às pessoas para se adaptarem.

Sobre o acordo ortográfico em si, o responsável da Fenprof lembra que "a dinâmica da língua é assim mesmo" e que sempre houve alterações", salientando que o importante é criar condições para que aos poucos seja introduzido".

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.