Produtos escassos viram presentes de Natal na Venezuela

Produtos escassos viram presentes de Natal na Venezuela

 

Lusa/AO online   Internacional   24 de Dez de 2013, 17:40

Os produtos que escasseiam na Venezuela estão a transformar-se num novo tipo de presente de Natal de milhares de cidadãos que, nesta época, saem de Caracas para passar alguns dias com a família.

Terça-feira, no terminal de transporte terrestre de La Bandera (Caracas), muitos dos passageiros estavam munidos com bagagem extra, que passava por uma mala adicional, uma caixinha de cartão e bolsas plásticas, com produtos que escasseiam no mercado local.

Entre esses produtos via-se papel higiénico, leite em pó, farinha de milho pré-cozido, óleo vegetal e açúcar, mas também fraldas, enlatados e artigos de higiene pessoal.

"Estou a sair para Turmero (90 quilómetros a oeste da capital), além de presentes e de roupa, levo leite em pó para os netinhos, quatro quilogramas de Harina Pan (farinha de milho) e açúcar que comprei em Caracas, mas que por lá não se consegue", explicou uma portuguesa à agência Lusa.

Assegurando que, "de momento” não falta nada netos, “porque sempre se vai conseguindo o que comprar", Maria Gonçalves explicou que dedica várias horas diárias a ir aos supermercados à procura de "coisas" e que cada vez que visita a filha há sempre algo de bagagem extra, um produto que escasseia e que se transformou "num presentinho muito apreciado por todos".

Segundo a imprensa venezuelana, as cidades de Maracaibo, Táchira, Barinas, Barquisimeto e Mérida, a oeste e sudoeste do país, são as principais localidades para onde os passageiros levam coisas extra na bagagem.

Algumas destas localidades fazem fronteira com a Colômbia, sendo constantes as denúncias de contrabando de produtos, que são comprados na Venezuela a preços mais baixos e depois levados para o país vizinho, apesar das cada vez mais intensas fiscalizações das autoridades.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.