Produtores de banana da UE contra liberalização do mercado para países do ACP


 

Lusa / AO online   Economia   4 de Out de 2007, 15:45

O secretário dos Recursos Naturais madeirense anunciou hoje que irá transmitir ao Governo da República a oposição produtores de banana de europeus de banana contra a possível liberalização da entrada desta produção no mercado comunitário.
    Manuel António Correia falava após uma reunião que manteve hoje no Funchal com a direcção da APEB (Associação de Produtores Europeus de Banana) que está na capital madeirense por ocasião da XII Conferência dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas Europeias.

    Esta associação realiza no Funchal uma reunião com os seus associados para discutir a actual situação do sector da banana na UE e o desenvolvimento das negociações com os países terceiros produtores.

    "Nos próximos dias conto levar ao Governo da República a posição dos produtores europeus, que é também a posição dos diferentes governos regionais, para que seja apresentada na Comissão Europeia, de oposição à hipótese que se está a esboçar de facilitar a entrada de banana dos países ACP (África, Caraíbas e Pacífico) que até agora tinham contingente de entrada", disse o governante madeirense.

    Salientou existir "uma corrente dentro da EU que pretende liberalizar a entrada. Isso é perigoso para os produtores europeus porque fará com haja mais banana, o que acarreta a diminuição dos preços e terá correspondência um risco de diminuição dos rendimentos".

    "A nossa luta é precisamente ao contrário, é preciso aumentar os rendimentos porque só assim se pode manter a produção, pelo que apoiamos essa pretensão dos produtores europeus", sustentou.

    "Vamos levá-la ao Governo da República para que seja apresentada à União Europeia, para que não se chegue a esse resultado de franquear a entrada no mercado europeu da banana dos países de África, Caraíbas e Pacífico", concluiu.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.