Prisão preventiva para quatro estrangeiros suspeitos de tráfico humano

Prisão preventiva para quatro estrangeiros suspeitos de tráfico humano

 

Ao Lusa   Nacional   16 de Nov de 2013, 16:31

Os quatro estrangeiros detidos numa operação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), por suspeita de tráfico de seres humanos, ficaram em prisão preventiva, por decisão do tribunal de Beja, divulgou sábado o SEF.

Os detidos, com idades entre os 23 e os 51 anos, foram detidos na quarta-feira passada, na sequência de uma operação do SEF numa herdade na zona de Beja, que resgatou 28 pessoas que estavam na situação de exploração e de tráfico, alegadamente para trabalharem na apanha da azeitona.

As vítimas, também estrangeiras, vieram para Portugal com a promessa, de compatriotas, de trabalho na agricultura e de bons rendimentos.

Contudo, quando chegaram à herdade - indica o SEF - os 28 trabalhadores foram colocados numa casa exígua, com más condições de habitabilidade e sem alimentação suficiente para todos.

Alegando que o trabalho da apanha da azeitona estava atrasado, os exploradores da herdade deixaram os trabalhadores sem possibilidades de auferirem qualquer rendimento.

A pouca alimentação que lhes era fornecida tinha por contrapartida a contabilização de uma dívida crescente com valores três ou quatro vezes superiores aos preços de mercado dos produtos que lhes facultavam.

Além das elevadas dívidas para com os angariadores, estes vigiavam-nos e controlavam-lhes os movimentos e não lhes permitiam sair da herdade, ameaçando-os de maus-tratos caso o fizessem ou se procurassem as autoridades, descreve ainda o SEF.

Dada a situação de carência das vítimas, foi solicitada a colaboração da Segurança Social, através da qual foram encaminhadas para a Cruz Vermelha e a Cáritas de Beja, que lhes facultaram alojamento e alimentação.

O SEF estabeleceu já contacto com as autoridades do país de origem com vista ao repatriamento das vítimas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.