Presidência de Portugal no Conselho Segurança afirma língua portuguesa

Presidência de Portugal no Conselho Segurança afirma língua portuguesa

 

Lusa/AO Online   Internacional   23 de Nov de 2011, 06:36

 A presidência portuguesa do Conselho de Segurança das Nações Unidas está a ser “importante para fazer o caminho do Português como língua de trabalho” na organização global, afirmou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Paulo Portas afirmou à Agência Lusa que “o caminho faz-se andando”, a propósito da apresentação de um pedido efetivo de reconhecimento do Português como língua oficial das Nações Unidas.

“Raras vezes no sistema das Nações Unidas se falou tanto em Português e no Português como neste mês de presidência portuguesa do Conselho de Segurança, em que coincidimos, Portugal e Brasil, como membros não permanentes”, adiantou o chefe da diplomacia portuguesa.

O ministro falou depois de uma reunião, presidida por Portugal, sobre o futuro da missão da ONU em Timor-Leste e de um almoço com os representantes permanentes dos países de língua portuguesa em Nova Iorque, em que foi discutida a promoção da Língua Portuguesa na ONU e o reforço da cooperação entre os países lusófonos na organização, nomeadamente candidaturas às diferentes agências e organismos.

Portugal é candidato à eleição para o Conselho de Direitos Humanos 2015-2017, que decorre dentro de pouco mais de dois anos.

Na reunião de hoje no Conselho de Segurança, apontou Portas, falaram em Português o ministro dos Negócios Estrangeiros, a vice-ministra brasileira das Relações Exteriores e o representante permanente de Angola, em nome da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Portas sublinha ainda a dimensão e dispersão dos falantes de português, bem como as perspetivas do seu crescimento, sobretudo na América Latina e África.

“O Português pode ganhar a competição das línguas na globalização e foi muito importante para fazer o caminho do Português como língua de trabalho, esta evidência no sistema Nações Unidas de que os países que falam Português são significativos, importantes, têm uma mais valia, uma palavra a acrescentar”, adiantou.

No último debate geral da Assembleia-Geral das Nações Unidas, no final de setembro, quase todos os representantes dos países lusófonos dirigiram-se ao plenário em Português, sendo a exceção Cabo Verde, que usou o crioulo.

Sobre o debate de Timor-Leste, o ministro português salienta o balanço positivo feito pela representante especial do secretário-geral, Ameerah Haq, numa altura em que o país se prepara para as eleições de 2012 e para o fim da missão da ONU.

“Ser ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, presidir ao Conselho de Segurança na sessão de hoje e ouvir estas referências sobre Timor só pode ser um motivo de confiança no futuro dos timorenses e no trabalho da ONU”, afirmou.

Portas adiantou que “para o ano há eleições muito importantes e há um clima de relativa concertação entre as forças políticas. Há motivos para ter esperança. A ONU não vai desaparecer de Timor-Leste, mas vai transformar a sua presença de acordo com os interesses do governo timorense e das suas prioridades”.

O ministro dos negócios Estrangeiros conclui na quarta-feira a deslocação a Nova Iorque para participar em eventos da presidência portuguesa no Conselho de Segurança, presidindo a um debate sobre “Novos Desafios à Segurança”, como alterações climáticas, pandemias, crime organizado e outras realidades.

A reunião contará com a presença do secretário-geral, do Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, do diretor do Agência contra a Droga e o Crime Organizado (UNODC), Yuri Fedotov, e ainda da diretora-geral da Organização Mundial de Saúde, Margaret Chan.

No final deverá ser adotada uma declaração presidencial do Conselho de Segurança sobre o tema.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.