PR diz que conhece riscos que militares portugueses correm e está orgulhoso

PR diz que conhece riscos que militares portugueses correm e está orgulhoso

 

Lusa/Ao online   Nacional   13 de Abr de 2019, 18:18

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, referiu que está consciente dos riscos que os militares portugueses enfrentam na República Centro Africana (RCA), mas mostrou-se orgulhoso do desempenho.

O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), almirante Silva Ribeiro, esteve hoje em visita aos militares portugueses que estão na missão de paz das Nações Unidas na RCA e leu uma mensagem do Presidente da República às tropas.

“Sei exatamente em que consiste a vossa missão de salvaguarda da paz, da segurança, da estabilidade e de condições mais humanas em populações tão sacrificadas. Sei exatamente quais os ricos que vos aguardam durante os meses desta vossa missão”, referiu o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa garantiu que vai acompanhar o dia a dia das forças destacadas.

“Estamos, pois, juntos, nesta missão por Portugal. Interpreto o sentir de todos os portugueses ao testemunhar-vos a total confiança e solidariedade de Portugal. E exprimo o orgulho que sinto de ser Presidente e Comandante Supremo de mulheres e homens como vós”, acrescentou.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por grupos armados juntos na Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

O conflito neste país, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

O Governo centro-africano controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

Portugal está presente na RCA desde o início de 2017, no quadro da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-Africana (MINUSCA), cujo 2.º comandante é o major-general do Exército Marco Serronha.

Portugal integra a MINUSCA, com a 5.ª Força Nacional Destacada (FND), e lidera a Missão Europeia de Treino Militar-República Centro-Africana (EUMT-RCA), que é comandada pelo brigadeiro-general Hermínio Teodoro Maio.

A 5.ª Força Nacional Destacada integra 180 militares do Exército (22 oficiais, 44 sargentos e 114 praças, das quais nove são mulheres) e três da Força Aérea.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.