PPM/Açores entrega projeto de resolução sobre falta água no Corvo

PPM/Açores entrega projeto de resolução sobre falta água no Corvo

 

Lusa/AO Online   Regional   14 de Nov de 2018, 13:15

O deputado do PPM no parlamento dos Açores, Paulo Estêvão, entregou um projeto de resolução que pretende "obrigar" o Governo Regional a implementar com "urgência" medidas de combate à atual situação de escassez de água no Corvo.

“Isto irá permitir que este assunto seja debatido no parlamento regional. Vou pedir urgência e deverá ser discutida no plenário que se inicia em 15 de dezembro”, afirmou o deputado, em conferência de imprensa, na delegação de São Miguel do parlamento açoriano.

Paulo Estêvão lembrou que desde "maio que foi alertada a opinião pública" para "o colapso no abastecimento público de água à população" da mais pequena ilha dos Açores e para "o uso agrícola".

Os monárquicos advogam ter alertado "repetidamente, ao longo do último ano, a Câmara do Corvo, o Governo Regional e a opinião pública para as "consequências potencialmente devastadoras" do que dizem ser um "acordo de cavalheiros” existente entre o município e o consórcio Somague-Ediçor Engenharia, S.A., que “permitiu a esta empresa retirar gratuitamente milhares de litros diários de água dos reservatórios agrícolas e das lagoas artificiais" que abastecem a vila e os cidadãos da ilha com cerca de 450 habitantes.

“Fizeram a captação ao longo de quase todo o verão e as reservas ficaram num estado de quase rotura. Agora o que sucedeu foi que tem chovido pouco e não existindo reservas entramos numa situação de pré-rotura de água”, insistiu hoje o deputado, apontando para “a gestão calamitosa dos recursos hídricos” que o autarca do Corvo, socialista, realizou.

O parlamentar justifica o projeto de resolução com "a necessidade de saber por que razão o Governo Regional sabendo da matéria não mandou ser feita uma fiscalização pela direção regional do Ambiente".

Paulo Estêvão defendeu "um levantamento rigoroso do estado em que se encontram as reservas de água para abastecimento da população do Corvo e da lavoura local" e quer saber "qual o plano de contingência que existe por parte do Governo Regional se, entretanto, as lagoas artificiais que estão em pré-rotura secarem" e que medidas quanto aos reservatórios agrícolas.

O deputado lembrou que atualmente a população do Corvo é confrontada com "dois períodos de corte de água ao longo do dia".

“A câmara anunciou que procedeu a uma redução do consumo de água durante 14:30 por dia. A população está revoltadíssima porque agora o presidente da câmara pede bom senso depois de ter cedido milhões de litros gratuitamente através de um acordo de cavalheiros com a Somague e diz que fez gestão cuidada dos recursos de água", apontou.

O parlamentar sustentou que o projeto de resolução pretende igualmente "chamar em sede de comissão as entidades responsáveis por estes diversos institutos" do executivo da região e "perguntar por que não fizeram nada ou que medidas estão a implementar".

"Isto permite que o Governo [Regional] se possa mexer e tem que dar respostas", frisou, adiantando que vai também remeter uma descrição da situação ao Conselho Regional do Ambiente.

Paulo Estêvão disse que "se chover a situação pode melhorar", mas deixou o alerta caso tal não aconteça.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.