Demografia

População de quase 50 países deverá diminuir até 2050


 

Lusa/AOonline   Internacional   5 de Nov de 2008, 15:05

A população de quase 50 países deverá diminuir até 2050, segundo dados das Nações Unidas que revelam que nos últimos 30 anos foram mais as cidades de países desenvolvidos que "encolheram" do que as que cresceram.
De acordo com o relatório "Estado das Cidades Mundiais 2008/2009", do programa Habitat, a população de 46 países, incluindo a Alemanha, Itália e Japão, a maior parte dos países da ex-União Soviética e algumas ilhas deverá ser menor em 2050.

    Estes dados reflectem-se ao nível das cidades, de acordo com o documento, que indica que esta evolução está contudo mais associada às cidades dos países da América do Norte e Europa, onde o número de metrópoles que "encolheram" aumentou mais do que o de cidades que cresceram em termos populacionais.

    No Reino Unido são 49,na Alemanha 48 e na Itália 34 as cidades que diminuíram entre 1990 e 2000 de acordo cm os dados das Nações Unidas.

    Cerca de 100 cidades russas viram a sua população baixar nos anos 90.

    Mas o fenómeno das cidades que encolhem não é único dos países desenvolvidos. Em África, de acordo com a análise feita no relatório, 11 cidades perderam população entre 1990 e 2000, das quais 10 eram pequenas cidades (entre 100.000 e 500.000 habitantes).

    A lista das maiores megacidades (mais de 10 milhões de habitantes) é liderada por Tóquio, com 35,6 milhões, seguida pela Cidade do México (19 milhões), Nova Iorque-Newark (19 milhões) e São Paulo (18,8 milhões).

    As previsões das Nações Unidas continuam a dar Tóquio no topo da lista em 2025, com mais de 36 milhões de habitantes, mas a segunda posição deverá passar a ser ocupada por Mumbai (ex-Bombaim), com mais de 26 milhões, e o terceiro lugar por Deli, com 22,4 milhões de pessoas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.