Politécnicos querem integrar caloiros com ações de cariz social e ambiental

Politécnicos querem integrar caloiros com ações de cariz social e ambiental

 

AO Online/ Lusa   Nacional   21 de Set de 2019, 01:30

Os politécnicos e os seus estudantes vão unir-se numa iniciativa nacional de integração de novos alunos, à qual querem “atribuir um cariz social”, assente em ações de voluntariado social e sustentabilidade ambiental.

A campanha “Ação Nacional de Integração”, promovida pelo Instituto Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) em colaboração com a federação nacional de associações de estudantes destes institutos, arranca já na próxima semana e pretende “apostar no momento de integração dos novos estudantes do ensino superior politécnico”.

“Esta iniciativa será um unir de esforços entre as instituições de ensino superior e as associações académicas e de estudantes para que o início da vida académica dos novos estudantes do ensino superior politécnico fique marcado pela cidadania e pela participação ativa no seio do voluntariado e da responsabilidade social […] a defesa dos oceanos e das florestas será a temática desta campanha”, segundo uma informação disponibilizada pelo CCISP.

Entre os objetivos enunciados estão a criação de um “movimento nacional no ensino superior” orientado para causas sociais e ambientais, fomentar a participação cívica, desenvolver relações de proximidade entre instituições, estudantes e comunidade e promover trabalho de grupo entre os novos alunos.

”Com a mobilização dos estudantes do ensino superior politécnico, iremos procurar sensibilizar para a importância das boas práticas sociais e ambientais. É esta a nossa ambição, acreditamos que as gerações que agora estão a iniciar a sua formação superior devem estar preparadas para todo o tipo de desafios que o Futuro reserva e preservar o meio ambiente será um destes desafios”, refere o CCISP.

A primeira iniciativa já calendarizada acontece a 25 de setembro com a associação académica do politécnico de Setúbal a participar numa “megaoperação de limpeza” do Estuário do Sado, com a ajuda de mais de 500 novos alunos.

“Há um ano, esta iniciativa de voluntariado estudantil rendeu um total de 2.010 quilos de lixo, dos quais 376 foram recuperados para reciclagem, entre vidro e plástico”, segundo o documento do CCISP.

Aliando o conhecimento da cidade à sua limpeza, o Politécnico de Portalegre também organiza no mesmo dia uma ação de recolha de lixo com o objetivo de o separar e enviar para reciclagem.

No âmbito da responsabilidade social o Instituto de Contabilidade e Administração de Coimbra vai promover uma iniciativa de dádiva de sangue e os alunos da Escola Superior de Música de Lisboa vão levar música a crianças e idosos internados em hospitais por questões de saúde ou de fragilidade social.

Em Bragança o politécnico vai promover uma recolha de bens alimentares nas lojas da cidade para distribuir pelos seus alunos mais carenciados e por instituições solidárias locais, uma ação semelhante será desenvolvida pelo politécnico do Cávado e Ave; em Castelo Branco os alunos vão organizar uma recolha de fundos para aplicar em ações de reflorestação de uma das zonas do país mais afetada por incêndios florestais.

Em Lisboa, os estudantes da Escola Superior de Tecnologia da Saúde vão organizar no final de novembro uma ação de recolha e reciclagem de beatas, alertando para os riscos do tabaco e para o impacto das beatas no meio ambiente.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.