Polícia chinesa dispara sobre tibetanos

 Polícia chinesa dispara sobre tibetanos

 

Lusa / AO online   Internacional   31 de Out de 2007, 10:40

A polícia de fronteira chinesa disparou sobre um grupo de tibetanos que procurava asilo no Nepal, enquanto cruzavam um desfiladeiro na cordilheira que separa a China do Nepal, disse esta quarta-feira um grupo de activistas da causa tibetana.
Segundo um comunicado do grupo Campanha Internacional Pelo Tibete, com base nos Estados Unidos, a polícia chinesa disparou sobre um agrupo com mais de 30 tibetanos, incluindo monges budistas e duas crianças, que tentavam cruzar a fronteira com o Nepal através dos Himalaias.

A Campanha Internacional Pelo Tibete cita no seu comunicado membros do grupo que conseguiram chegar a Katmandu, capital do Nepal, e que asseguram ter visto elementos da Polícia Popular Armada (polícia paramilitar chinesa) a disparar sobre eles.

Segundo as mesmas fontes, não se registaram vítimas nem ferimentos, mas a polícia prendeu alguns membros do grupo, incluindo três monges, para interrogatórios.

Em Setembro passado, um grupo de montanhistas estrangeiros testemunhou no mesmo local a morte de uma religiosa budista, atingida a tiro por disparos da Polícia Popular Armada.

De acordo com a Campanha Internacional Pelo Tibete, um grupo de sete polícias perseguia os tibetanos, exigindo que parassem, tendo depois disparado sobre o grupo que procurava o exílio.

Por ano, cerca de dois mil tibetanos fogem para o Nepal, segundo dados das Nações Unidas.

Muitos tentam depois seguir passagem para a cidade de Dharamsala, na Índia, a sede do governo tibetano no exílio liderado pelo Dalai Lama.

O Dalai Lama, líder religioso e político tibetano no exílio, fugiu para a Índia em 1959, após uma tentativa falhada de revolução contra a presença chinesa no Tibete, que anexaram a região tibetana em 1951.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.