Polícia brasileira desarticula quadrilha que exportava madeiras nobres


 

Lusa / AO online   Internacional   18 de Out de 2007, 19:30

A Polícia Federal (PF) do Brasil desarticulou uma organização criminosa que actuava na extracção e exportação de madeiras nobres, nomeadamente jacarandá-da-Baía, utilizado no fabrico de instrumentos musicais, informaram fontes oficiais.
Nos últimos quatro anos, foram enviadas ilegalmente para o exterior pelo menos 13 toneladas desta madeira, de acordo com estimativas da polícia.

    A madeira jacarandá-da-Baía é classificada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) como uma espécie da flora brasileira ameaçada de extinção e sua exploração está proibida.

    A operação da PF, denominada "Wood Stock", contou com cerca de 400 polícias que cumpriram 20 mandados de prisão e quase 70 mandados de busca e apreensão nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro, Baía, Piauí e Distrito Federal.

    A investigação começou há cinco meses e foi desenvolvida em conjunto com os Estados Unidos por meio da U.S. Fish and Wildlife Service.

    Essa agência norte-americana de combate aos crimes ambientais passou a monitorar as remessas de madeira para aquele país.

    Os polícias descobriram que a madeira era extraída dos remanescentes de Mata Atlântica, principalmente no Sul da Baía, e enviada de forma fraudulenta para os Estados do Espírito Santo e de Minas Gerais onde são tratadas e exportadas.

    Os prevaricadores utilizavam notas fiscais falsas para comercializar a madeira, dificultando a acção da fiscalização.

    O esquema contava com a participação de funcionários públicos.

    Estes informavam os madeireiros sobre eventuais acções dos fiscais e da polícia e utilizavam a sua influência para desalfandegar cargas irregulares.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.