PJ de Braga investiga homicídio de homem esquartejado depois de morto


 

Lusa/AO Online   Nacional   11 de Jun de 2010, 12:04

A Polícia Judiciária de Braga está a investigar o assassínio de um homem de 40 anos, que terá sido esquartejado, já depois de morto, no apartamento onde residia com um alegado “travesti”, em Guimarães, disse, hoje, à Lusa fonte policial.

A fonte adiantou que a polícia suspeita, antes de mais, do alegado “travesti”, um homem, com 19 anos, que se encontra internado no Hospital de Guimarães, e que prestou já declarações aos investigadores, dizendo “que esteve desmaiado durante várias horas”.

“Estamos a verificar as informações que nos prestou e outros dados recolhidos no local”, adiantou a fonte policial, frisando ser prematuro dizer quem terá sido o autor do crime.

A vítima, José Carlos Mota da Silva, casado e pai de dois filhos mas que não vivia em família, foi encontrado, ao final da tarde de quinta feira, morto à facada na casa onde residia na freguesia de Azurém, não muito longe do Castelo de Guimarães.

A fonte acrescentou que o alegado companheiro, que também se encontrava ferido na costas e na cabeça, disse aos agentes da polícia - que entraram no apartamento depois de arrombarem a porta - que o crime terá sido cometido por outros dois homens que entraram no local por volta do meio dia.

Disse que despertou por volta das 18:30, altura em que se apercebeu do crime e começou a gritar, o que levou uma vizinha a chamar as forças policiais e o INEM.

A brigada da PSP que se deslocou ao local encontrou um cenário macabro com sangue espalhado por todo o apartamento e com parte do cadáver esquartejado, e com o nariz cortado.

Depois de interrogar o suspeito, a PJ procedeu, de seguida, ao levantamento de indícios periciais – impressões digitais, restos de sangue e cabelos – que vão agora ser analisados no seu laboratório científico.

A PJ terá, também, encontrado vestígios de uso de drogas no apartamento.

Os investigadores interrogaram, também, elementos da vizinhança, na Travessa de S. Mamede, que contaram que os dois homens ali viviam há apenas um mês, e frisaram que, nos últimos tempos, se verificava alguma azáfama no local, com frequentes entradas e saídas no apartamento.

O corpo da vítima, que deve ser hoje autopsiado na morgue do Hospital, acabou por se retirado do local por volta da 01:00 de hoje.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.