Pílulas contracetivas da Bayer aumentam risco de coágulos sanguínes

Pílulas contracetivas da Bayer aumentam risco de coágulos sanguínes

 

Lusa/AO Online   Internacional   28 de Out de 2011, 07:25

Algumas pílulas contracetivas - como a Yaz do laboratório alemão Bayer - parecem aumentar o risco de coágulos sanguíneos em maior proporção que os contracetivos orais mais antigos, concluiu um estudo da FDA, a agência norte-americana de medicamentos, hoje publicado.

A agência analisou os testes realizados em mais 800 mil mulheres que utilizaram diferentes meios de contraceção entre 2001 e 2007, noticia a AFP.

Nas conclusões preliminares, a FDA estima que as pílulas contracetivas contenham drospirenona, um tipo de progesterona sintética de nova geração semelhante à hormona natural, que apresenta um risco de formação de coágulos sanguíneos superior em 1,5 vezes comparativamente às pílulas usadas antigamente.

As pílulas Yaz e Yasmin, do laboratório alemão Bayer, que são das mais vendidas, contêm drospirenona combinada com etinilestradiol, uma substância muito comum nos contracetivos orais.

A FDA constatou também um risco acrescido de coágulo sanguíneo com a utilização do adesivo contracetivo Ortho Evra, de uso semanal, da Johnson and Johnson, e do anel vaginal contracetivo NuvaRing, do laboratório Merck, de uso mensal.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.