Papa Bento XVI admite uso do preservativo

Papa Bento XVI admite uso do preservativo

 

Lusa / AO online   Internacional   20 de Nov de 2010, 17:56

Pela primeira vez um papa, Bento XVI, admitiu a utilização “em certos casos” do preservativo “para reduzir os riscos de contaminação” do vírus da SIDA, segundo um livro de entrevistas que será publicado terça-feira.

Segundo a AFP, à questão “A Igreja Católica não é fundamentalmente contra a utilização de preservativos?”, o líder da Igreja Católica respondeu: “Em alguns casos, quando a intenção é de reduzir o risco de contaminação, isso poderá ser um primeiro passo para preparar o caminho para uma sexualidade mais humana”.

No livro intitulado “Luz do Mundo”, feito com um jornalista alemão, e que aborda temas como a pedofilia, o celibato dos padres, a ordenação das mulheres e a relação com o Islão, entre outros, Bento XVI cita o exemplo do “homem prostituto” para ilustrar as suas palavras.

“Pode haver casos isolados, como quando um homem prostituto utiliza um preservativo. Isso pode ser um primeiro passo para uma moralização, o início da tomada de consciência de que nem tudo é permitido e de que não podemos fazer tudo o que queremos”, afirmou o Papa. “Mas este não é o caminho para se vencer a infeção do HIV. Isso deve ocorrer na humanização da sexualidade”, acrescentou.

Até agora, o Vaticano bania todas as formas de contraceção, além da abstinência, mesmo como prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.