Petróleo

OPEP revê em forte baixa crescimento da procura

 OPEP revê em forte baixa crescimento da procura

 

Lusa/AOonline   Economia   15 de Out de 2008, 16:08

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reviu em forte baixa as previsões de crescimento da procura de crude no mundo em 2008 para 0,64 por cento contra 1,02 em Setembro.
A OPEP justifica a revisão em baixa com os maus números sobre o crescimento económico nos países industrializados.

    No seu relatório mensal, hoje publicado em Viena, a organização reviu também em baixa a previsão de crescimento da procura de crude para 2009, que cai para 0,87 por cento contra um por cento no mês anterior.

    Para 2008, a OPEP espera uma procura de 86,45 milhões de barris por dia, contra 86,79 milhões anunciados em Setembro. Para o próximo ano, a nova estimativa aponta agora para 87,1 milhões de barris diários, menos 760.000 do que no mês anterior.

    Os peritos da OPEP afirmam que a procura será bem menor nos Estados Unidos em 2009 do que se esperava inicialmente "pelo menos durante o primeiro semestre", o que terá igualmente um efeito noutras grandes economias do planeta.

    Em contrapartida, nos países não-OCDE, quer dizer nas economias emergentes e em desenvolvimento, a OPEP espera um aumento da procura de 1,1 milhões de barris por dia, contra 0,4 milhões nos países industrializados.

    O relatório observa ainda que "a tormenta nos mercados financeiros reforçou o mau ambiente no mercado mundial", o que se traduziu por uma quebra de 14 por cento do preço do barril em Setembro, calculado segundo um cabaz de petróleos produzidos pela OPEP.

    A queda dos preços prosseguiu em Outubro com a continuação da crise financeira e as suas consequências no crescimento económico.

    Para um ponto da situação sobre a evolução dos preços e a procura, a OPEP convocou uma reunião ministerial extraordinária para 18 de Novembro em Viena.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.