Nobel da Paz

Obama defende necessidade da guerra para garantir a paz

Obama defende necessidade da guerra para garantir a paz

 

Lusa/AO Online   Internacional   10 de Dez de 2009, 15:27

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu hoje a necessidade de em determinadas circunstâncias a guerra ser a única forma de manter a paz, no seu discurso de aceitação do Nobel da Paz numa cerimónia em Oslo.

Obama, que ao aceitar a medalha do prémio recebeu mais de um minuto de aplausos, referiu no seu discurso a contradição de receber um prémio de paz apenas nove dias depois de ter ordenado uma escalada no conflito no Afeganistão com o envio de mais 30.000 tropas.

Perante uma audiência de cerca de mil pessoas, Obama afirmou que a guerra não deve ser glorificada e que o seu custo é elevado, mas que "os instrumentos da guerra têm um papel a desempenhar na preservação da paz".

"Um movimento não violento não poderia ter detido os exércitos de Hitler. Negociações não convenceriam os líderes da Al-Qaida a deporem as armas. Dizer que a força é por vezes necessária não é um apelo ao cinismo, é um reconhecimento da história", disse.

"A convicção de que a paz é necessária raramente é suficiente para a alcançar", acrescentou noutro passo.

O presidente norte-americano aludiu também às críticas dos que consideraram prematuro distingui-lo com o Nobel da Paz, reconhecendo que os seus "feitos são escassos" quando comparados com outros premiados e afirmando receber a medalha com "profunda gratidão e uma grande humildade".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.