Números avançados pela CCIPD são "extremamente exagerados" e "grosseiros"

Números avançados pela CCIPD são "extremamente exagerados" e "grosseiros"

 

Susete Rodrigues/AO Online   Regional   23 de Out de 2019, 17:18

A secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo, Marta Guerreiro, disse esta quarta-feira, que os números avançados pela Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada (CCIPD), em relação à operação da Delta nos Açores, são "extremamente exagerados" e "grosseiros".

De acordo com nota do executivo e reagindo à decisão da Delta abandonar em 2020 a rota Nova Iorque-Ponta Delgada, Marta Guerreiro referiu que “esta não é uma notícia que gostássemos de ter” e afirmou acreditar no continuado empenho que os empresários e o executivo têm demonstrado para fazer crescer o setor do turismo, dando nota também dos "indicadores extremamente exagerados mencionados pela Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada relativos a esta operação face à realidade, que também desvaloriza a grande fatia de turistas norte-americanos que chegam aos Açores por outras companhias".


Segundo disse o presidente da CCIPD, Mário Fortuna, com o fim da operação da Delta para a Região, “vamos perder cerca de 22 mil passageiros/turistas; vamos perder o equivalente a 90 mil dormidas, o que dá cerca de 22 milhões de euros estimados de perda de receita em cada ano, o que quer dizer que em cinco anos estamos a olhar para uma perda de cerca de 120 milhões de euros. Portanto é uma notícia muito negativa para o turismo dos Açores. Estas dormidas destes turistas em São Miguel representavam cerca de 4% do mercado e o desaparecimento destes 4% é um revés”.

De acordo com Marta Guerreiro, estes dados avançados pela CCIPD "apresentam erros grosseiros nos números de passageiros transportados, estadas médias e empolamento de gastos médios, para além de partirem do pressuposto errado de que não serão compensados com recurso a novas operações em resultado do aturado e permanente trabalho de contactos com operadores interessados no destino Açores".


Por exemplo, relativamente ao mercado norte-americano, a titular da pasta do Turismo afirmou a  existência de “companhias e operadores a olhar para os Açores com bastante interesse e que veem, com a saída da Delta, um espaço de entrada, onde vamos, naturalmente, investir e trabalhar”, disse na mesma nota.


A secretária regional destacou ainda os concursos públicos já lançados de promoção em diversos mercados, como é o caso de Espanha e do Canadá, para além de ser publicado quinta-feira um concurso público para promoção dos Açores junto do Reino Unido e, logo depois, outro para a Alemanha, já com alguns operadores interessados, para além de outros em desenvolvimento, para mercados como França e Itália.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.