Número de reclamações recebidas pela Anacom sobem 28%


 

Lusa / AO online   Economia   25 de Set de 2007, 18:31

A Anacom recebeu um total de 10.259 reclamações por escrito no primeiro semestre deste ano, mais 28 por cento do que nos primeiros seis meses de 2006, divulgou hoje a entidade reguladora do sector das Comunicações.
No mesmo período, a entidade presidida por José Amado da Silva recebeu 363 pedidos de informação e realizou 2.347 consultas telefónicas e presenciais.

A Anacom salienta que “as folhas dos livros de reclamações constituem cerca de 66 por cento do volume de reclamações recebidas” e refere que, no que toca ao teor das queixas, a grande maioria diz respeito ao sector das comunicações electrónicas (7.772 reclamações, num total de 10.259).

O sector postal registou um volume total de 2.384 reclamações, sendo que cerca de 96 por cento das mesmas correspondem a folhas de livros de reclamações.

No que respeita às reclamações no sector das comunicações electrónicas, o serviço VOIP (voz sobre Internet) motivou o maior número de reclamações por cada 1.000 clientes (ou reclamações por parte de 0,13 por cento dos clientes destes serviços), logo seguido do serviço de acesso à Internet, com 0,12 por cento dos 1,660 milhões de clientes a apresentarem reclamações.

Seguiu-se o serviço de telefone fixo (2.698 reclamações num universo de 3.272.665 clientes, o que perfaz 0,08 por cento da base de clientes).

A Anacom revela ainda que, neste último caso, a maioria das queixas prende-se com o aumento de reclamações sobre demora na desactivação da pré-selecção.

Nas reclamações realizadas no âmbito do sector das comunicações electrónicas, destacam-se as reclamações relativas a equipamento (1.449 reclamações), seguidas das queixas relacionadas com o atendimento ao cliente (1.412) e facturação (1.308).

Relativamente ao sector postal, à semelhança do que se verificou no ano anterior, a correspondência foi o serviço mais reclamado (1.168 reclamações num total de 2.384), seguido do serviço de estações e postos (671) e do serviço de encomendas (335).

No que se refere ao assunto, neste sector o volume mais elevado de reclamações prende-se com situações de atendimento ao cliente (861 reclamações) e de atraso e falta de tentativa na entrega de correspondência e encomendas (335 e 326 reclamações, respectivamente).

Quanto aos 363 pedidos de informação, a Anacom explica que traduzem uma redução de 39 por cento, face ao período homólogo, e diz que o sector mais visado é o das das comunicações electrónicas (316 pedidos).

No que respeita às solicitações recebidas nos serviços de atendimento ao público, foram registadas 2.347 solicitações, das quais 2.217 foram recebidas por via telefónica e as restantes 130 através de atendimento presencial.

Do total de consultas, cerca de 91 por cento basearam-se em reclamações dos utilizadores contra os respectivos prestadores de serviços, ao passo que os restantes 9 por cento corresponderam a meros pedidos de informação, informou a Anacom.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.