Açoriano Oriental
Covid-19
Nicarágua vai produzir a vacina russa 'Sputnik V'

O Governo da Nicarágua anunciou que vai produzir, para distribuição local e internacional, a vacina ‘Sputnik V’, desenvolvida pela Rússia para combater a pandemia de covid-19.

Nicarágua vai produzir a vacina russa 'Sputnik V'

Autor: Lusa/AO Online

As autoridades nicaraguenses revelaram esta intenção após uma reunião à distância entre uma equipa de funcionários do Estado com o diretor do Instituto de Vacinas e Soros de São Petersburgo, Victor Trujin, e com o responsável do Instituto Latino-americano de Biotecnologia Méchnikov, com sede em Manágua, Stanislav Uiba, para coordenar o papel de Nicarágua na vacina russa.

Na reunião, as partes discutiram “sobre as ações que serão levadas a cabo nos próximos meses tendo em vista a futura produção em Nicarágua da vacina contra a covid-19, que foi desenvolvida e registada pelo Governo russo”, destacou o executivo nicaraguense, citado pela agência EfE.

O Governo da Nicarágua realçou ainda que a cooperação com a Rússia permitirá ao país da América Central contar “com a produção da vacina contra a covid-19 quer para distribuição local, quer internacional”.

Manágua já tinha demonstrado o seu interesse em reproduzir e exportar a vacina ‘Sputnik V’ desde que Moscovo anunciou a sua descoberta, graças às boas relações entre o Presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, e o homólogo russo, Vladimir Putin.

A vacina russa contra a covid-19, cujo registo foi anunciado terça-feira por Vladimir Putin, chama-se ‘Sputnik V’, vai começar a ser fabricada em setembro e já foi encomendada por 20 países.

Segundo o Kremlin, passa a estar disponível em janeiro de 2021.

A vacina contra o SARS CoV-2 desenvolvida pelos cientistas russos chama-se ‘Sputnik V’ (o ‘V’ significa vacina) em referência ao satélite soviético, o primeiro aparelho espacial a ser lançado para a órbita do planeta Terra, disse na terça-feira Vladimir Putin.

De acordo com o chefe de Estado, a vacina russa é "eficaz" e superou todas as provas necessárias assim como permite uma "imunidade estável" face à covid-19.

O Ministério da Saúde russo afirmou que uma dupla inoculação "permite uma imunidade longa", que poderá durar "dois anos".

No entanto, muitos cientistas no país e no estrangeiro questionaram a decisão de registar a vacina antes de os cientistas completarem a chamada Fase 3 do estudo.

Essa fase por norma demora vários meses, envolve milhares de pessoas e é a única forma de se provar que a vacina experimental é segura e funciona.

A Organização Mundial da Saúde recebeu com cautela a notícia de que a Rússia registou a primeira vacina do mundo contra a covid-19, sublinhando que deverá seguir os trâmites de pré-qualificação e revisão definidos.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.