Navios da Marinha já fiscalizaram cerca de 24 mil milhas nauticas nos Açores em 2018

Navios da Marinha já fiscalizaram cerca de 24 mil milhas nauticas nos Açores em 2018

 

Lusa/Ao online   Regional   22 de Jul de 2018, 23:05

O Comando da Zona Marítima dos Açores anunciou este domingo que "os navios da Marinha" em missão na Região já percorreram desde o início de 2018 cerca de 24 mil milhas náuticas, o equivalente a 45 mil quilómetros, da Zona Económica Exclusiva (ZEE) dos Açores.

Segundo um comunicado enviado à agência Lusa, os navios da Marinha em missão nos Açores efetuaram desde o início deste ano "48 ações de patrulha e vigilância" que resultaram na identificação de 19 embarcações "em presumível infração", registando-se um aumento de 12% em relação ao ano passado.

Ao longo dos primeiros seis meses deste ano, as ações nas "áreas adjacentes e protegidas sob a responsabilidade do Estado Português", feitas pelo navio patrulha oceânico Viana do Castelo, a corveta António Enes e o Navio Patrulha Tejo, direcionaram-se sobretudo para a pesca ilegal.

"As ações de patrulha e vigilância dos espaços marítimos tiveram especial enfoque na deteção de embarcações a operar de forma ilegal nas águas portuguesas e em zonas de pesca interdita, nomeadamente nos limites da ZEE, entre as 100 e 200 milhas náuticas, destacando-se as áreas de pesca proibidas nos Bancos Condor e as reservas naturais dos ilhéus das Formigas e Banco D. João de Castro, as áreas dos Banco dos Açores e do Banco Princesa Alice", lê-se no comunicado.

Além da vertente de fiscalização, a Marinha destaca, no mesmo comunicado, que estas ações serviram ainda para alertar "a comunidade piscatória" para a importância de "ter a bordo meios de salvamento adequados e operacionais, a preservação do meio marinho e das espécies, e para o flagelo do lixo e plásticos no mar".




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.