Municípios não estão a saber captar e gerir a água

Municípios não estão a saber captar e gerir a água

 

Pedro Nunes Lagarto   Regional   23 de Out de 2009, 08:30

Ex-director regional de Ordenamento do Território e dos Recursos Hídricos garante que os Açores têm água em quantidade e qualidade faltando modernizar as redes de abastecimento, uma tarefa que cabe aos municípios. Dinheiro? Peçam à UE ou ao Governo

Faz sentido utilizar água limpa para regar jardins, encher piscinas e apagar fogos, entre dezenas de outras situações, que sucedem todos os dias?

Existem recursos de água natural, renovável em todas as ilhas em quantidade e qualidade suficientes para serem captadas e distribuídas às populações e actividades económicas. Agora, necessariamente que a água deve ser gerida com a máxima parcimónia e tentando evitar as ineficiências.

Concorda que poderia existir um melhor aproveitamento das águas que saem das estações de tratamento (ETAR) rumo ao oceano?

Pode-se, de facto, utilizar essas águas para a rega de jardins. Já para as piscinas e consumo humano torna-se necessário um nível de purificação e de tratamento muito mais elevado, ou seja, é um processo complicado.

De qualquer modo, um melhor aproveitamento das águas residuais pode resolver um ou outro caso, mas não constitui a panaceia para o problema do abastecimento público.

Porventura, a solução global reside em medidas integradas?

Sim,a gestão da água reside cada vez mais numa gestão integrada de todos os recursos.

Nos Açores, os recursos são essencialmente subterrâneos pelo que é preciso haver estudos que indiquem onde estão os recursos e que depois ocorram os investimentos necessários para colmatar as lacunas no abastecimento.

Noutras regiões optou-se por se transformar a água do mar em água doce para consumo humano ou irrigação. Esse processo, a Dessalinização, está colocado de parte nos Açores? Pergunto-lhe isto porque estamos rodeados de mar, uma fonte inesgotável?

Na minha opinião, essa opção deverá a última a ser tomada nos Açores. Por exemplo, é muito praticada no Médio Oriente, mas constitui um processo com custos de instalação e de operação muito elevados.

E que dizer da opção de armazenamento de água?

Os cursos de água que temos são geralmente de pequena dimensão e apenas em algumas ilhas correm de forma permanente, portanto, situações que dificultam a opção de armazenamento de água à superfície.

Mais uma vez essa possibilidade poderia ser caracterizada e estudada, contudo, repito: temos água subterrânea em quantidade e qualidade. Há que aproveitá-la com maior eficiência e com um custo mais baixo.

Então se temos esses recursos, porque motivo falta água em algumas ilhas...

Porque os recursos não estão a ser devidamente captados e geridos. Existem, estão quantificados, têm qualidade, faz falta é que cada entidade gestora - os municípios - tomem as devidas medidas e levam a água às populações. Repare: no Plano Regional da Água estima-se perdas de água muito elevadas, entre 30 a 40 por cento. Se as redes de abastecimento forem reforçadas e modernizadas podemos reduzir as perdas e assim contribuir para resolver parte do problema de abastecimento às populações. Dou-lhe um exemplo: o caso da falta de água na ilha Terceira.

Depois de tudo o que se disse, um parecer técnico recomendou que a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo abrisse novos furos de captação. Foi o que foi feito e, afinal, havia água. Faltava era fazer os necessários investimentos.

A modernização das redes implicam custos muito elevados e os municípios açorianos, como os portugueses em geral, não estão propriamente "ricos"...

O Governo Regional tem um estudo integrado do abastecimento de água nos Açores onde se discrimina concelho a concelho as melhores opções para a captação da água. O trabalho de casa está feito. Falta o financiamento. Os municípios devem ter a humildade de perceber se têm capacidade financeira per si, se têm a possibilidade de obter comparticipação comunitária (União Europeia), e caso negativo, devem bater à porta do Governo Regional para tentar um certo grau de compromisso.

Temos água, sabemos o que precisamos para captá-la, em suma, falta "apenas" o financiamento e vontade política?

A modernização das redes tem que ser feita senão estaremos sempre a apagar fogos em vez de resolver o problema de raiz.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.