Movimento de Utentes condena intenção do Governo em deixar de comparticipar vacinas e pílulas

Movimento de Utentes condena intenção do Governo em deixar de comparticipar vacinas e pílulas

 

Lusa/Aonline   Nacional   8 de Set de 2011, 08:40

 O porta-voz do Movimento de Utentes dos Serviços Públicos, Carlos Braga, condenou hoje a intenção do Governo em deixar de comparticipar pílulas e três vacinas vendidas em farmácias, considerando a medida “desumana e penalizadora para os utentes”.

O Ministério da Saúde divulgou ma quarta-feira uma lista de medidas para reduzir as despesas no setor, entre as quais a intenção do Estado em deixar de comparticipar pílulas e as vacinas contra o cancro do colo do útero, hepatite B e contra a estirpe do tipo B do vírus da gripe e reduzir a comparticipação da associação de medicamentos antiasmáticos e broncodilatadores, refere a imprensa.

Com estas medidas, o Governo prevê poupar só com as com as descomparticipações mais de 19 milhões de euros, num total de quase 110 milhões de euros a atingir até 2013.

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz do Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos frisou que estas medidas são “penalizadoras para os utentes” e ”não têm em consideração” a saúde das pessoas e a sua situação económica e social.

“Condenamos as medidas e lamentamos que as mesmas sejam tomadas em prejuízo das pessoas que mais sofrem e menos têm para poder ter acesso a cuidados de saúde. E, portanto, iremos apelar a que as pessoas manifestem o seu desagrado, protesto, indignação e oposição a estas medidas que põem em causa a saúde das pessoas”, salientou.

Carlos Braga adiantou à Lusa que pediu uma audiência ao ministro da Saúde “há já algum tempo” e ainda não obteve resposta.

O porta-voz adiantou ainda que vai reunir com os movimentos e comissões de utentes de todo o país para analisar a situação e decidir sobre eventuais medidas de protesto.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.