Moreirense banaliza Benfica e adeptos pedem ‘demissão’ de Rui Vitória

Moreirense banaliza Benfica e adeptos pedem ‘demissão’ de Rui Vitória

 

Lusa/Ao online   Futebol   3 de Nov de 2018, 07:35

O Moreirense vulgarizou esta sexta feira o Benfica em pleno Estádio da Luz (3-1) e infligiu a terceira derrota seguida aos ‘encarnados', em jogo da nona jornada da I Liga portuguesa de futebol, no qual Rui Vitória foi muito contestado.

O 100.º golo de Jonas na I Liga, logo aos dois minutos, fazia antever uma jornada de sucesso para as ‘águias', mas Chiquinho (05), Pedro Nuno (16) e Loum (36) garantiram o primeiro triunfo de sempre do Moreirense sobre o Benfica, para o campeonato.

A terceira derrota seguida do Benfica (duas na I Liga e uma na ‘Champions'), em vésperas da receção ao Ajax, originou uma enorme onda de contestação a Rui Vitória, que, no final, foi ‘brindado' com muitos lenços brancos e ouviu os adeptos pedirem, a plenos pulmões, a "demissão".

Os ‘encarnados', com 17 pontos, podem ver Sporting de Braga e FC Porto, ambos com 18, distanciarem-se mais na classificação e ficam à mercê de um quinto lugar, caso Rio Ave (17) e Sporting (16) vençam nesta ronda.

Sem Seferovic, a contas com problemas físicos, Rui Vitória colocou Jonas na frente - titular pela primeira vez no campeonato esta época - e lançou João Félix para o lugar de Salvio, naquelas que foram as duas únicas alterações relativamente à derrota com o Belenenses.

A aposta do técnico não poderia ser mais acertada, uma vez que foram estes dois protagonistas a construir o tento inaugural, numa fase ainda prematura da partida. Os ‘cónegos’ deixaram o internacional sub-21 luso receber, pensar e executar um passe que deixou o avançado brasileiro com caminho aberto para abrir o marcador.

Contudo, a resposta do Moreirense foi imediata e Chiquinho, jogador que esteve contratualmente ligado ao Benfica, atirou de primeira, à entrada da área, não dando grandes hipóteses a Vlachodimos.

Mesmo sofrendo o empate, os ‘encarnados' pareciam querer dominar e sem deixar margem para dúvidas, valendo uma intervenção espantosa de Jhonatan a negar o golo a Rafa, quando os adeptos já festejam o ‘chapéu' do extremo benfiquista.

A partir deste momento, o Benfica perdeu-se completamente, perante um oponente muito compacto e que não enjeitava os muitos espaços que as ‘águias' iam deixando no setor intermédio. O golo de Pedro Nuno, à passagem do quarto, seria apenas a confirmação do que estava a suceder em campo.

Sem ideias e sequer capacidade para entrar no ‘bloco' do Moreirense, a formação orientada por Rui Vitória era a fiel imagem do que vem sendo há muito: uma equipa muito limitada no momento da construção e a cometer erros de palmatória no momento defensivo.

As tentativas de Pedro Nuno ajudaram a subir o nível de insatisfação nas ‘bancadas' e, já depois de Rafa voltar a desperdiçar mais um lance claro de golo, Loum teve tempo para receber, olhar para a baliza de Vlachodimos e concretizar o que começava a parecer um escândalo.

Prova da completa desorientação foi o facto de Rui Vitória alterar as peças e o figurino tático por duas vezes, no espaço de 35 minutos, primeira trocando as posições de Gedson e João Félix e, depois, alterando o sistema para 4x4x2, com Pizzi na direita (tinha começado no centro), Rafa na esquerda (arrancou na direita) e João Félix a formar dupla de ataque com Jonas.

De resto, as alterações não se ficariam por aqui, já que, ao intervalo, Salvio e Castillo entraram para os lugares de André Almeida e Pizzi, com o internacional argentino a desempenhar as funções de lateral direito.

Ainda assim, o Benfica apenas chegou à baliza dos cónegos num canto mal concluído por Jardel, ao passo que o Moreirense respondeu na mesma ‘moeda', ameaçando mesmo o quarto tento.

Os defeitos as ‘águias' mantiveram-se intactos e, à exceção de um remate de Castillo para defesa de Jhonatan, as tentativas do Benfica surgiam, invariavelmente, em remates de longa distância e sem a direção pretendida.

Para piorar a situação, Jardel foi castigado com um vermelho direto, por um cotovelada em Arsénio, segundos antes de Jonas obrigar a Jhonatan a defesa apertada, naquela que foi a derradeira situação de golo... quando ainda faltavam 13 minutos para o final.

O final do jogo trouxe sinais óbvios de insatisfação por parte dos adeptos do Benfica, que não pouparam Rui Vitória. Numa semana em que Luís Filipe Vieira deu um voto de confiança ao técnico, hoje ficou bem patente que os adeptos não estão ao lado de Vitória.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.