Mau tempo

Moradores da Fajãzinha anseiam regresso a casa mas estão apreensivos

Moradores da Fajãzinha anseiam regresso a casa mas estão apreensivos

 

Ana Cristina Pereira, Lusa/AO online   Regional   6 de Dez de 2010, 11:21

Os habitantes da Fajãzinha, na ilha das Flores, Açores, tentam recuperar do susto vivido na sexta-feira na sequência de deslizamentos de terras que atingiram a freguesia, ansiando por regressar às suas casas apesar da apreensão por continuar a chover.
O mau tempo que se faz sentir no arquipélago desde sexta-feira originou derrocadas que obstruíram a via de acesso à Fajãzinha, deixando a freguesia isolada, sem água e luz, tendo ainda danificado algumas moradias, pelo que os cerca de 80 moradores da localidade foram transferidos para o aldeamento turístico da Coada, onde estão há três dias.

José Horácio, um dos habitantes da Fajãzinha, confessou hoje à Lusa, por telefone, que não tem memória do que viu na sexta-feira, quando teve que "abandonar tudo de um momento para o outro", "sem saber" quando poderá regressar.

“Foi um horror ver a terra a vir das partes mais altas. É hábito chover, mas não me lembro de derrocadas”, afirmou, salientando que vive na Fajãzinha desde que nasceu e que "as pessoas mais idosas da freguesia nunca assistiram a coisa igual".

Instalados há três noites no aldeamento turístico da Coada, os habitantes começam a dar sinais de "cansaço", porque "não sabem" quando podem voltar às suas casas.

"Estamos bem instalados, mas as pessoas estão um pouco desanimadas e cansadas porque não sabem o dia de amanhã. O estado de espírito não é nada bom", admitiu Ilda Henriques, também moradora na Fajãzinha, que se afirmou "incrédula" com o sucedido na sexta-feira.

Ao fim de três noites fora de casa, Ilda Henriques disse que o espírito de "entre ajuda" vai valendo ao grupo de moradores, porque "há sempre uns mais desanimados que outros".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.