Monitorização electrónica de presos gera polémica no Brasil


 

Lusa / AO online   Internacional   30 de Abr de 2010, 12:39

O governo brasileiro está a estudar a adopção da monitorização electrónica de presos, assunto que tem gerado polémica, com a possibilidade de 80 mil presos deixarem de cumprir as suas penas em penitenciárias.
A intenção é possibilitar que presos condenados e provisórios de baixa periculosidade deixem de ingressar e desafoguem o sistema penitenciário tradicional.

“Não é soltar presos e oferecer um mar de rosas para o infractor”, disse à Lusa o director geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Airton Aloisio Michels.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.