Ministra explica no Parlamento modelo de avaliação

 Ministra explica no Parlamento modelo de avaliação

 

Lusa/AO Online   Nacional   4 de Dez de 2008, 08:59

Apenas um dia depois da greve que garantem ter sido "histórica", os sindicatos de professores voltam hoje aos protestos contra o modelo de avaliação, iniciando uma vigília em Lisboa, enquanto a ministra vai ao Parlamento explicar o conflito com a classe.

 Desde as 10:00 de hoje e até às 22:00 de sexta-feira, dirigentes sindicais e docentes prometem não arredar pé da porta do Ministério da Educação, na Avenida 05 de Outubro, em Lisboa, numa vigília de 36 horas convocada na manifestação nacional que a 08 de Novembro reuniu cerca de 120 mil professores.

    Já a ministra Maria de Lurdes Rodrigues vai novamente à Assembleia da República para uma audição de urgência, a pedido do Bloco de Esquerda, que deverá ter como tema principal o processo de avaliação de desempenho dos professores e o diferendo que opõe sindicatos e Ministério da Educação.

    Na quarta-feira, a contestação à ministra fez-se de Norte a Sul do País numa greve que o Ministério garante ter contado com uma adesão de 61 por cento, menos 33 pontos percentuais do que os dados avançados pelos sindicatos.

    Ainda assim, o secretário de Estado da Educação, Valter Lemos, reconheceu que a participação nesta greve foi "significativa", embora tenha considerado que a paralisação ficou "muito longe" dos objectivos que tinham sido definidos pelas organizações sindicais .

    Já a Plataforma Sindical de Professores assegura ter sido a maior greve do sector alguma vez realizada em Portugal, tendo todos os partidos da oposição assinalado igualmente a dimensão do protesto e a necessidade de devolver a tranquilidade às escolas, através da suspensão do modelo definido pelo Governo.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.