Açoriano Oriental
Militares das Forças Armadas participaram em 29 missões internacionais

As Forças Armadas participaram, no ano passado, em 29 missões internacionais e mais de sete mil nacionais, que salvaram 756 pessoas através de ações variadas, desde combate a incêndios, buscas e salvamento e transporte de órgãos humanos.


Foto: EMGFA
Autor: Lusa/AO Online

Este é o balanço feito pelo Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) que recorda os 2.362 militares envolvidos em 29 missões internacionais que decorreram nos continentes africano, americano, asiático e europeu.

Os militares estiveram no terreno apoiados por 97 viaturas táticas, 12 navios e 10 aeronaves, segundo o EMGFA, que recorda que estas são missões da NATO, ONU, União Europeia, ou de caráter bilateral e multilateral.

“Neste momento estão em curso missões, no âmbito destas alianças, na República Centro-Africana, Iraque, Afeganistão, Kosovo, Somália, Mali, Roménia, Colômbia e São Tomé e Príncipe”, acrescenta o gabinete de imprensa do EMGFA.

Já em território nacional, 31.690 militares levaram a cabo outras 7.384 missões de apoio direto às populações e bens, “que permitiu salvar 756 vidas humanas”, anuncia.

As forças armadas realizaram 755 missões de proteção e salvaguarda de pessoas e bens: 95 ações de busca e salvamento, 498 missões de evacuação médica, 32 missões de transporte de órgãos humanos e 130 missões de apoio a banhistas.

Realizadas outras 6.629 missões de apoio à Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e no âmbito de Protocolos de Cooperação Municipais.

A maioria (6.037) passou por ações de patrulhamento, apoio ao combate a incêndios florestais, vigilância e rescaldo, vigilância das matas nacionais e perímetros florestais e sensibilização das populações nos 18 distritos do território.

Ainda no âmbito do apoio militar de emergência, foram realizadas quatro operações: em Moçambique devido ao ciclone IDAI; nos Açores por causa do furação LORENZO; durante a greve de motoristas de matérias perigosas e, no final do ano, na sequencia das cheias.

Foram enviados 41 militares para Moçambique, 294 militares para os Açores para restabelecer a operacionalidade do Porto das Lajes das Flores e apoiar com bens de primeira necessidade a população da ilha das Flores e do Corvo.

Já no âmbito da greve de motoristas de matérias perigosas e consequente crise energética, foram empenhados 120 militares”.

No fim do ano, em dezembro, foi destacada uma equipa de fuzileiros e uma equipa do exército, compostas por 14 e 9 militares respetivamente, na sequência das cheias que assolaram várias zonas do país, acrescenta o EMGFA.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.