Microcrédito nos Açores apoiou 14 projetos este ano, mais nove que em 2012

Microcrédito nos Açores apoiou 14 projetos este ano, mais nove que em 2012

 

Lusa/AO Online   Regional   23 de Dez de 2013, 08:48

O sistema de microcrédito nos Açores apoiou este ano 14 projetos, de várias ilhas e diferentes áreas de negócio, mais nove do que em 2012, um crescimento que o Governo Regional estima que continue em 2014.

“Nós temos aqui 14 candidaturas aprovadas em 2013. No ano passado tivemos cinco candidaturas aprovadas. É um aumento de 200%”, afirmou à Lusa o diretor regional do Apoio ao Investimento e à Competitividade, Ricardo Medeiros, revelando que os projetos aprovados foram, sobretudo, na área da restauração, prestação de serviços, turismo e comércio.

Desde 2006 que os Açores criaram um programa próprio de microcrédito, para apoiar desempregados ou pessoas com empregos precários a concretizarem ideias inovadoras de negócio, tendo nos últimos sete anos aprovado mais de 500 mil euros de empréstimos reembolsáveis sem juros, com um limite máximo de 20 mil euros cada.

Ricardo Medeiros adiantou que 57% dos empréstimos aprovados resultam de candidaturas apresentadas na ilha de S. Miguel, 24% na Terceira, 7% em Santa Maria, 6% no Faial, 3% no Pico, 2% em S. Jorge e 1% nas restantes três ilhas açorianas (Corvo, Flores e Graciosa).

“As candidaturas estão permanentemente abertas. Qualquer pessoa pode dirigir-se à Direção Regional e apresentar a sua candidatura. É encaminhada para uma agência de microcrédito, onde fazem parte dela técnicos especializados, que irão acompanhar em conjunto com a Direção Regional todo o seu processo”, disse o governante, alegando que demora em média dois a três meses até os candidatos aprovados receberem o dinheiro.

O orçamento e o plano anual de investimentos dos Açores para 2014, aprovado no final de novembro, incluem, entre outras propostas da oposição, uma do CDS/PP que reforça o apoio aos projetos de microcrédito.

“O que a região bonifica são os juros destes mesmos empréstimos a cada promotor até ao limite de 20 mil euros. Já não tínhamos problemas de cabimento orçamental, mas assim, com este reforço de verbas, ficamos sem qualquer problema”, referiu Ricardo Medeiros, acrescentando que “o aumento do plafom foi de 50 para 100 mil euros”.

O governante recordou, também, que em 2013 foi introduzida uma “alteração significativa” no sistema de microcrédito, que consta da Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade, que reforça a garantia da região em relação aos empréstimos, passando de 25 para 75 por cento.

“Pensamos que a manter-se esse ritmo, e atendendo também a que nós estamos sempre a incrementar a sua divulgação (programa regional de apoio ao microcrédito) junto dos desempregados e instituições, julgamos que em 2014 teremos mais candidaturas”, admitiu Ricardo Medeiros.

Segundo explicou, os empréstimos concedidos são todos reembolsáveis e sem juros, com prazos de reembolso alargados, sendo que a maioria dos projetos apoiados recebe entre 15 a 20 mil euros para tornar real o negócio.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.