Saúde

Médicos deviam prescrever mais exercício físico

Médicos deviam prescrever mais exercício físico

 

Lusa/AO online   Nacional   13 de Dez de 2011, 14:25

O presidente da delegação Centro da Fundação Portuguesa de Cardiologia, Polybio Serra e Silva, defendeu que os médicos deviam prescrever mais exercício físico aos utentes, para prevenir doenças do coração e promover estilos de vida saudáveis.
“O exercício físico devia ser prescrito como uma receita. Há já alguns médicos a prescrevê-lo mas deviam ser mais”, disse Polybio Serra e Silva, sublinhando que “mais de metade dos portugueses são obesos e um milhão são diabéticos”.

Especialmente dirigido a obesos e diabéticos, mas aberto a todos os interessados, um novo Programa de Iniciação à Atividade Física (PIAF), promovido pela delegação Centro da Fundação e hoje divulgado, arranca em Janeiro em Coimbra, apostando nas caminhadas e treinos de força, em ginásio.

“A actividade física é pedra angular da saúde cardiovascular. Qualquer um tem milhares de boas razões para não se mexer, mas se dermos espaço às nossas boas desculpas para não nos mexermos, qualquer dia temos uma doença cardiovascular”, afirmou aos jornalistas Raul Martins, um dos coordenadores do PIAF.

Raul Martins citou as “recomendações internacionais” que apontam para a necessidade de cada pessoa fazer “150 minutos de actividade física de intensidade moderada ou rigorosa, por semana”.

As doenças cardiovasculares matam “mais do que qualquer guerra. Estas doenças andam escondidas, não se lhes dá importância mediática”, afirmou, por sua vez, o tenente-coronel Pereira Lopes, comandante da unidade de apoio do Comando da Brigada de Intervenção do Aquartelamento de Sant’Ana, instalado em Coimbra.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.