Médico não associa morte do feto a vacina da gripe A


 

Lusa / AO online   Nacional   16 de Nov de 2009, 11:03

O especialista em obstetrícia Luís Graça afirmou esta segunda-feira que a associação entre a morte de um feto e a vacinação contra a gripe A foi circunstancial, sublinhando que, se a autópsia revelasse uma ligação, seria o primeiro caso no mundo.
Uma grávida de 34 semanas perdeu o bebé no sábado, três dias depois de ter sido vacinada contra o vírus H1N1, dois factos que os familiares suspeitam que estejam ligados, mas que o hospital diz não ser possível relacionar.

“Esta associação é meramente circunstancial, pelo menos, até que haja uma nova explicação para este caso”, disse à agência Lusa o presidente do colégio de especialidade da Ordem dos Médicos de ginecologia e obstetrícia.

O médico adiantou que, caso fosse estabelecida uma ligação, seria o “primeiro caso no mundo”.

“Isso é uma situação que não está descrita e, a acontecer neste caso, seria a primeira do mundo”, sustentou, comentando que não será “muito lógico” estar a tirar-se essa ilação.

Neste momento, acrescentou, “posso dizer que se esta senhora não tivesse sido vacinada, provavelmente, esta morte fetal perto do termo aconteceria na mesma”.

Luís Graça explicou que a morte interina perto do termo é uma situação que acontece, registando mais de 300 casos por ano em Portugal.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.