Justiça

Maria das Dores condenada a 23 anos de prisão


 

Lusa/AOonline   Nacional   3 de Nov de 2008, 11:28

O advogado de Maria das Dores, cuja pena de 23 anos de prisão por ter mandado matar o marido foi esta segunda-feira confirmada, vai interpor novo recurso da decisão do tribunal da Boa-Hora, Lisboa.
"Vou avançar para um novo recurso com os mesmos fundamentos do primeiro já que o acórdão se manteve inalterável", disse Fernando Carvalhal no final de uma audiência que demorou cerca de cinco minutos.

    O advogado admitiu que a decisão do colectivo de juízes presidido por Carlos Alexandre "não lhe causou surpresa".

    Questionado sobre a possibilidade de a sua cliente ultrapassar os prazos de prisão preventiva devido aos recursos a interpor, o advogado garantiu que "não é uma preocupação", admitindo mesmo que desconhece quando termina esse prazo.

    Por outro lado, o advogado dos pais de Paulo Cruz, o marido de Maria das Dores, disse que já estava à espera do teor do acórdão de hoje.

    "Esperava esta decisão. A matéria de facto foi dada como provada e os peritos não alteraram o relatório", disse Dias Antunes.

    O advogado garantiu que irá responder ao recurso da defesa "em tempo útil".

    A leitura do novo acórdão demorou poucos minutos e, segundo o juiz-presidente, o seu teor é "rigorosamente igual" ao anterior, conhecido em Abril, que condenou Maria das Dores a 23 anos de prisão.

    O novo acórdão surge depois de terem sido ouvidas duas técnicas de reinserção social.

    Para os advogados de defesa era fundamental ouvir os peritos que elaboraram o relatório de personalidade da arguida, o que não aconteceu durante o julgamento, presidido pelo juiz Carlos Alexandre.

    O relatório refere que a arguida tem um Coeficiente de Inteligência (QI) acima da média e que pensa com clareza, mas que tem traços psicopáticos e um estilo manipulativo.

    O Tribunal da Relação de Lisboa deu razão ao recurso da defesa e mandou reabrir o julgamento para serem ouvidas as duas técnicas da Direcção-Geral de Reinserção Social, o que aconteceu no dia 27 de Outubro.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.