Açoriano Oriental
Mantém-se impasse entre técnicos de diagnóstico dos Açores e Governo Regional

Técnicos superiores de saúde das áreas de diagnóstico e terapêutica (TSTD) e o Governo dos Açores não chegaram, na segunda-feira, a um entendimento, por se manter "a injustiça" nas negociações sobre a carreira da classe, disse fonte sindical.

Mantém-se impasse entre técnicos de diagnóstico dos Açores e Governo Regional

Autor: Lusa/AO Online

"Não podemos chegar a um entendimento quando da parte do governo dizem ‘isto ou nada’. Aquilo que está neste momento colocado em cima da mesa por parte do senhor presidente do Governo Regional é: ‘os senhores aceitam isto ou não aceitam nada’. E isto não é negociar. O governo nunca quis negociar até aos dias de ontem e ontem aparece-nos com uma solução de imposição", afirmou o vice-presidente do Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica (STSS), Fernando Zorro, em declarações à agência Lusa.

O sindicato e o presidente do Governo dos Açores, o socialista Vasco Cordeiro, estiveram reunidos na segunda-feira à noite, depois de aqueles profissionais não terem chegado a um entendimento com a tutela.

Entre as reivindicações está a "aplicação imediata da revisão da carreira, transições justas para os TSDT nas três categorias da carreira e uma grelha salarial equiparada a outras carreiras da administração pública, com o mesmo nível habilitacional e profissional".

Os técnicos reivindicam também que "todo o tempo de serviço e a avaliação de desempenho anterior ao processo de transição para a carreira especial dos TSDT relevem para efeitos de progressão e alteração de posição remuneratória”, com “o correto descongelamento de todos os TSDT efetuado na nova tabela salarial, independentemente do vínculo laboral".

Os profissionais têm vindo a realizar recentemente, nos Açores, greves e protestos em várias ilhas.

Fernando Zorro referiu que, após a reunião de segunda-feira com Vasco Cordeiro, se "mantém a injustiça e não há paridade", embora tenha admitido que a proposta apresentada pelo executivo "corrige algumas assimetrias, mas mantém todas as desigualdades perante outros grupos profissionais da saúde".

"Na reunião de ontem com o presidente do Governo Regional a grande esperança foi, no fundo, conseguirmos perceber que o senhor presidente constatou que efetivamente havia discriminação dentro do grupo profissional. Ou seja, pessoas que tinham menos tempo de serviço iriam rapidamente passar à frente daquelas que tinham mais tempo de serviço. O senhor presidente do governo assumiu isso e diz que nos vai fazer chegar hoje uma proposta em que isso vai ficar atenuado", explicou.

O vice-presidente do STSS adiantou que Vasco Cordeiro "não conseguiu explicar porque é que faz tratamento diferente entre grupos profissionais", frisando que a proposta governamental terá de ser "materializada". O sindicato deixou o compromisso de dar uma resposta sobre o documento até sexta-feira.

"Vamos reunir-nos com os colegas e até sexta-feira daremos o ‘feedback’, se continuamos com ações de luta ou intensificamos, mas tendo sempre, como é nosso apanágio, propostas concretas e contrapropostas, de modo a não interferir na vida dos açorianos", avançou Fernando Zorro, indicando que ainda há "uma greve agendada entre os dias 20 e 23 de outubro".

O sindicato deixou junto da presidência o compromisso de "assumir um protocolo com o Governo Regional" para futuramente, e numa próxima legislatura, serem "corrigidas" questões fulcrais para os profissionais.

"Nós não estamos aqui a fazer paninhos quentes, aquilo que nós queremos é uma questão de justiça e não existe paridade entre outros grupos profissionais", reiterou.

O sindicato tem vindo a sublinhar que os profissionais se sentem “injustiçados com a falta de respeito do Governo Regional dos Açores", do PS, "na negociação das suas carreiras, face ao que foi negociado com outras carreiras da saúde na região”.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.