Mais de 11 mil entraram na segunda fase, 9000 vagas por preencher

Mais de 11 mil entraram na segunda fase, 9000 vagas por preencher

 

LUSA / Ao online   Nacional   27 de Set de 2012, 07:35

Mais de 11 mil alunos foram colocados na segunda fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, a que concorreram 18.849 estudantes, segundo dados do Ministério da Educação e Ciência.

Os números hoje divulgados indicam que foram colocados 11.365 alunos na segunda fase, 9237 dos quais são novos estudantes e 2128 que já tinham entrado na primeira fase que mudaram de curso.

Para esta segunda fase existiam 20.441 vagas, 12.286 das quais sobrantes da primeira fase. Ficaram ainda por preencher 9076.

Concorreram 7608 alunos que não se inscreveram para a primeira fase, 3144 alunos que não foram colocados na primeira fase, 2225 que entraram na primeira fase e não se matricularam e 5872 que se matricularam mas quiseram mudar o seu curso.

Dos 1121 cursos com vagas a concurso, 450 ainda têm lugares disponíveis, verificando-se uma predominância de vagas nos cursos de engenharia, tal como aconteceu na primeira fase.

Por exemplo, cursos como Engenharia Civil no Politécnico de Lisboa, que abriu 150 vagas, ainda tem 143 disponíveis ou o mestrado integrado em Engenharia da Universidade Nova de Lisboa, que de 93 vagas só preencheu 28.

Após a divulgação dos resultados da primeira fase o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas atribuiu uma redução do número de candidatos a um "aumento de reprovações em diversas disciplinas do 12.º ano".

Destacou também que, pela primeira vez, os alunos do ensino secundário tiveram de fazer "todos os exames na primeira fase" e apontou que "o acesso aos cursos de engenharia e de economia passou a exigir, como obrigatórias, as disciplinas de matemática e de física e química do 12º ano, o que introduziu maior exigência no mecanismo de acesso".

Para o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, Sobrinho Teixeira, a explicação está na portaria que passou a exigir a realização de provas nacionais de Matemática e Física e Química para vários cursos tecnológicos: "Outros cursos que não têm esta dupla exigência e têm muito menos empregabilidade estão cheios", salientou.

Nesta segunda fase, a nota mais alta de entrada foi 19 valores no curso de medicina da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

No ano passado, perto de 11.800 estudantes de 18.804 candidatos entraram na segunda fase e ficaram cerca de oito mil vagas por preencher.

Este ano, 40.415 entraram na primeira fase, o que corresponde a cerca de 90 por cento do total de candidatos, e é o número de colocações mais baixo dos últimos anos.

A terceira fase do concurso decorrerá de 27 de setembro a 05 de outubro e estarão em disputa as cerca de nove mil vagas restantes.

Os resultados da segunda fase estão disponíveis em https://www.dges.mctes.pt.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.