Açoriano Oriental
Covid-19
Madeira com primeiro caso confirmado de infeção

O Presidente do Governo Regional da Madeira anunciou esta terça-feira o primeiro caso confirmado pelo coronavírus

Notícia atualizada às 11h16



article.title

Foto: MIGUEL A. LOPES/LUSA
Autor: Susete Rodrigues/Lusa/AO Online

O Governo Regional da Madeira anunciou o primeiro caso de Covid-19 na região, indicando que se trata de uma cidadã holandesa que se encontrava de férias na ilha.

"O caso positivo foi detetado numa cidadã holandesa que entrou no território no dia 12 de março", disse o presidente do executivo, Miguel Albuquerque.

A cidadã está agora internada no espaço do Serviço de Saúde da Madeira (Sesaram) preparado para os isolamentos de casos de Covid-19.

"Determinámos o fim de todas as atividades de animação e recreação turísticas na região autónoma a partir deste momento, como, por exemplo, excursões, passeios, visitas guiadas, rent-a-car ou de outra ordem", afirmou Miguel Albuquerque, em conferência de imprensa, no Funchal.

O governante realçou que o executivo comunicará novamente às embaixadas a "necessidade mandatória de procederem ao repatriamento dos seus concidadãos que ainda permanecem na região, com a maior brevidade possível".

Miguel Albuquerque vincou também o reforço das medidas de restrição de entrada de cidadãos em centros comerciais, mercados e outros espaços públicos, no sentido de evitar a concentração de pessoas e o contacto físico entre elas.

O primeiro caso positivo de Covid-19 no arquipélago da Madeira foi registado na segunda-feira (16 de março) às 22h14 (menos uma nos Açores), sendo que os serviços de saúde e proteção civil tomaram "todas as medidas necessárias de isolamento e prevenção" da unidade hoteleira" onde se encontrava a cidadã holandesa.

Trata-se do Enotel Quinta do Sol (ex-Quinta do Sol), um quatro estrelas localizado na Rua Dr. Pita, na cidade do Funchal, com 147 quartos.

"Segundo o protocolo previamente estabelecido, todos aqueles com quem [a turista] contactou estão a ser devidamente acompanhados pelas autoridades regionais de saúde", esclareceu Miguel Albuquerque, vincando que o governo irá "continuar a tomar as medidas necessárias" no sentido de conter a pandemia de Covid-19 e salvaguardar "a vida e a saúde” das famílias.

O chefe do executivo apelou aos cidadãos para que permaneçam nas suas residências, efetuando apenas saídas para aquisição de alimentos, compra de medicamentos, apoio a idosos e deslocações de e para o trabalho.

"Face a esta nova situação, o trabalho na Administração Pública fica reduzida ao nível indispensável para o funcionamento das instituições, restringindo ainda mais os seus planos de contingência", afirmou.

Miguel Albuquerque apelou ainda aos cidadãos de quarentena na região, sobretudo os que regressaram do continente, para o "cumprimento escrupuloso" da mesma, uma vez que está em causa "a vida e a saúde de outros concidadãos, incluindo os seus familiares".


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.