Tibete

Luta contra domínio de Pequim em debate

Luta contra domínio de Pequim em debate

 

Lusa/AO online   Internacional   18 de Nov de 2008, 11:03

Mais de 500 dirigentes tibetanos no exílio continuam esta terça-feira reúnidos, no norte da Índia, para debater uma nova estratégia de luta contra o domínio chinês, mas Pequim já reafirmou que manterá a supremacia sobre a região.
O porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Qin Gang, afirmou que "qualquer tentativa de separar o Tibete do território chinês fracassará".

    Os comentários de Qin surgem na semana em que líderes tibetanos se encontram reunidos para a primeira grande reavaliação da estratégia de resistência desde que o Dalai Lama delineou, em 1988, o caminho para a autonomia, mas não para a independência do Tibete.

    Reunidos em Dharamsala, norte da Índia, onde o Dalai Lama vive no exílio desde 1959, os tibetanos debatem desde segunda-feira, e até ao final da semana, e eventual endurecimento da luta.

    O Dalai Lama reconheceu, no fim de Outubro, o fracasso da reivindicação de autonomia, e anunciou que está a ponderar uma estratégia mais radical do que a sua diplomacia tradicional conciliadora com Pequim, que anexou o Tibete em 1951.

    Segundo Acharya Yeshi Phuntsok, membro do Parlamento no exílio, as negociações já deram a indicação de que numerosos tibetanos não desejam abandonar a posição moderada.

    "O debate está iniciado, mas mudar de estratégia não é fácil. Talvez devamos, em vez disso, envidar maiores esforços para que a nossa política actual resulte", disse.

    A assembleia não tem qualquer poder de decisão e deverá remeter o resultado do encontro para o Parlamento e o governo tibetanos no exílio, mas o primeiro-ministro Samdhong Rinpoche, afirmou que as decisões terão um peso importante.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.