Lobo Antunes diz-se "um cidadão comum" e "grato" pelas distinções que recebe

Lobo Antunes diz-se "um cidadão comum" e "grato" pelas distinções que recebe

 

Lusa/AOOnline   Nacional   17 de Out de 2018, 11:53

O escritor António Lobo Antunes, em véperas de receber o Prémio Bottari Lattes Grinzane e de inaugurar uma cátedra com o seu nome na Universidade de Milão, disse que se considera um "cidadão comum sem qualquer importância", "grato" por estas distinções.

Lobo Antunes, de 76 anos, que publicou recentemente um novo romance, "A última porta antes da noite", recebe, no sábado, o Prémio Bottari Lattes Grinzane, em Monchiero, no norte de Itália, e vai inaugurar, na segunda-feira, uma cátedra com o seu nome, na Universidade de Milão.

Em entrevista à agência Lusa, o autor referiu-se ao Prémio Grinzane, cujo júri é constituído por intelectuais, professores universitários, jornalistas culturais e escritores, como “uma generosidade” e “uma prova de consideração pela nossa língua”.

A “jornada italiana” começa na sexta-feira ao meio da manhã, em Monchiero, nos arredores de Turim, na região italiana do Piemonte, com uma conferência de imprensa, apresentando o escritor, à tarde, no Teatro Social de Alba, a sua “Lectio Magistralis” (“Lição Magistral”, em tradução livre).

No sábado à tarde, no castelo Grinzane Cavour, que faz parte da lista do Património Mundial da UNESCO, António Lobo Antunes recebe o galardão.

Relativamente aos prémios, Lobo Antunes afirmou que “as pessoas têm sido muito generosas” consigo, em diferentes países.

“É evidente que tenho de estar grato, mas tomo isto mais como uma prova de consideração pela nossa língua e pelo nosso país, e isso é que interessa”, sentenciou.

A cerimónia de entrega do galardão e a inauguração da cátedra António Lobo Antunes, no Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras da Università degli Studi di Milano, faz parte do seu ofício de escritor, disse o autor de “Auto dos Danados”.

“Vou ter que falar e ver pessoas, não é uma coisa que me agrade especialmente, mas faz parte do ofício e é bom que o nome de Portugal seja falado”.

Quanto à literatura, “é só trabalho, não há segredo nenhum, não há mistério, é só trabalho”, afiançou.

“Escrever é trabalho. Podia ter outra profissão qualquer, tenho esta, portanto tenho que fazer um bom trabalho, da mesma maneira de que, quando era médico, tinha de tratar bem os meus doentes, era o meu trabalho”, disse, para acrescentar relativamente aos seus livros: “As pessoas não têm o direito de receber um mau produto”, e daí trabalhar neles até os considerar bons, contou.

“Escrever não é uma brincadeira”, asseverou, garantindo que faz o melhor que pode.

Quanto ao convite para participar como “convidado de honra” na Feira de Guadalajara, que decorre de 24 de novembro a 02 de dezembro, naquela cidade mexicana, Lobo Antunes considerou o convite “muito generoso”.

“Vamos ver como corre a feira. É a segunda maior do mundo”, disse o escritor que já por duas vezes esteve em Guadalajara, e justificou a honraria, por ter ganhado, há dez anos, o Prémio Juan Rulfo, pelo romance “Até Que as Pedras Se Tornem Mais Leves Que a Água”.

Lobo Antunes insistiu que é “um cidadão normal”, que não tem mais importância do que isso, mas acha “simpático” a atenção que lhe é dada.

“Nunca pensei nisso, mas acho simpático que se preocupem comigo, talvez um dia me arranjem uma estátua equestre”, disse.

Questionado se gostaria de se ver representado numa estátua equestre, respondeu: “Não tenho nada contra, se fosse a cavalo de um político que não gosto, não me importava”, e prosseguiu: “Depende de quem a gente monta, o meu prazer de estar em cima, depende de quem eu estiver a montar”, e recomendou que, “antes [de se montar], deve-se olhar para o animal”.

O autor insistiu que vive “no mundo de toda a gente” e acrescentou: “Às vezes parece-me que quem está num mundo só deles são os políticos, não sou eu”.

Referindo-se a políticos, o escritor adirmou gostar do atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a convite do qual participou, em fevereiro último, na iniciativa "Escritores no Palácio de Belém".

“Tenho uma boa relação com o Presidente [da República], gosto dele, penso que ele gosta de mim, ainda há pessoas que me são simpáticas”, disse.

Lobo Antunes reconhece, porém, que se isola, principalmente quando está a trabalhar, a escrever os seus livros, não lhe sobrando tempo para mais nada.

“Quando estou a trabalhar tenho muito pouco tempo, começo a trabalhar às sete da manhã até à uma [da tarde], depois das duas até às oito da noite, por isso não tenho muito tempo para saber. Mas também a sensação que eu tenho é que a vida em Portugal é tão previsível, que não vale a pena… Não compro jornais, não leio jornais, raramente vejo noticiários na televisão. Não tenho tempo, tenho que fazer as coisas, vou sabendo assim… Sei que houve uma remodelação governamental”.

Sobre o novo livro, “A última porta antes da noite", é dedicado ao seu amigo George Steiner, crítico literário e professor nas universidades de Cambridge e Genebra, o autor de "Errata", "Antígonas" e "As artes do sentido", que lhe falou nesta frase, que é da personagem “Judite”, da ópera “O castelo do Barba Azul”, de Béla Bartók, (que também dá título a um livro do pensador - "No castelo do Barba Azul - Algumas notas para a redefinição da cultura").

No final da ópera, a personagem “pede que lhe abram ‘a última porta antes da noite’”, explicou Lobo Antunes.

“Uma frase que não foi criada para este livro, já existe há muito tempo, e foi uma frase que sempre me tocou, e em certo sentido é uma homenagem a um amigo [George Steiner]”, de quem gosta, que respeita e admira.

A amizade é “uma coisa sagrada”, disse Lobo Antunes à Lusa. E recordou o seu avô, que lhe dizia que “um homem pode não ter dinheiro, não ter mulheres, não ter trabalho, mas se tiver amigos nunca fica sozinho”.

Autor de mais de 30 romances, além de cinco livros de crónicas e de um volume de cartas, António Lobo Antunes afirmou: “Não estou à procura de nada. A gente não procura, encontra. Uma das coisas que me agrada na vida é a imprevisibilidade do futuro. Claro que é aborrecido se o futuro for desagradável. Mas enquanto houver futuro, a nossa vida tem um sentido, e uma razão”, disse o escritor, referindo em seguida: “Já tive alturas em que não tive futuro, com doenças, com guerras, com isto e aquilo. E não é agradável”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.