Venezuela

Libertados estudantes sequestrados em Caracas

Libertados estudantes sequestrados em Caracas

 

Lusa / AO online   Internacional   8 de Nov de 2007, 11:25

O ministro venezuelano do Interior e Justiça, Pedro Carreño, confirmou a libertação de 123 pessoas que durante várias horas estiveram sequestradas, quarta-feira, por indivíduos armados, na Escola de Trabalho Social (ETS) da Universidade Central da Venezuela, em Caracas.
"Manifesto o meu mais categórico repúdio pelos actos de violência que ocorreram na ETS. Actualmente, a situação está normalizada", disse o ministro venezuelano.

Precisou que "eram 123 pessoas, que estavam cercadas e a ponto de serem linchadas," e que foram resgatadas por profissionais dos Serviços de Protecção Civil e dos Bombeiros Metropolitanos de Caracas.

Durante uma curta intervenção, transmitida em simultâneo e obrigatoriamente pelas rádios e televisões do país, Pedro Carreño, fez uma chamada à reflexão dos estudantes, autoridades universitárias, líderes políticos, opositores e meios de comunicação social.

"Ante a situação de desestabilização que se quer criar no país, os reitores devem assumir a sua responsabilidade e garantir a ordem nos recintos universitários", disse.

Pediu também aos meios de comunicação "que deixem de emitir notícias tendenciosas (...) que deixem de cimentar a ideia de que a reforma constitucional é um golpe de Estado".

Contrariando as versões dadas pelas autoridades da Universidade Central da Venezuela e as fotos divulgadas pelos media venezuelanos, Pedro Carreño acusou os estudantes que na última quarta-feira marcharam até ao Supremo Tribunal de Justiça, de libertarem o seu ódio interior arremetendo contra outros estudantes.

Segundo Pedro Carreño, "não é incendiando o país, bloqueando estradas, brincando ao caos e à emoção que se resolvem os problemas. Em democracia, impõem-se as decisões da maioria".

Finalizada a alocução do ministro ao país, as televisões divulgaram fotos e vídeos dos acontecimentos violentos que ocorreram na Universidade Central da Venezuela e questionaram a veracidade das fontes informativas oficiais.

Pelo menos nove pessoas ficaram feridas quarta-feira num tiroteio na Universidade Central da Venezuela (UCV).

Os confrontos, segundo Eleazar Narváez, vice-reitor da UCV, ocorreram quando um grupo de encapuzados armados entrou na Escola de Trabalho Social daquela universidade e disparou contra os estudantes que regressavam de uma marcha contra a reforma constitucional que se prevê será referendada a 2 de Dezembro.

Os atacantes queimaram um autocarro da UCV e mantiveram sequestrados, durante várias horas, vários funcionários e estudantes no terceiro andar da ETS.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.