Investigadores portugueses detetam casos de declínio cognitivo em pacientes cabo-verdianos


 

Lusa/Ao online   Nacional   8 de Dez de 2018, 20:05

Uma equipa de investigadores portugueses terminou esta semana uma visita de estudo a Cabo Verde, onde efetuou consultas de avaliação neurológica e rastreio precoce de patologias, e detetou casos de declínio cognitivo em alguns pacientes.

A informação foi avançada à agência Lusa por Sandra Freitas, porta-voz de uma equipa de cinco investigadores das áreas de geomedicina e neuropsicologia das universidades de Coimbra e Aveiro e do Instituto Superior Técnico de Lisboa, que esteve durante três dias a realizar consultas em Assomada, concelho de Santa Catarina de Santiago.

Esta foi a terceira viagem de estudo ao país, depois de antes ter realizado pesquisas na Praia e no Tarrafal, também na ilha de Santiago, no âmbito de um projeto de investigação em Portugal que pretende estudar fatores de risco para o declínio cognitivo e para a doença de Alzheimer.

Em Portugal, o estudo é realizado em Estarreja, por ser uma zona de uma forte contaminação industrial, e no Alentejo, uma zona de contaminação devido à atividades mineira.

Em Assomada, com uma caracterização geográfica e geológica diferente, Sandra Freitas avançou que foram efetuadas cerca de 70 consultas, de pessoas de todas as idades, e que a equipa identificou casos de declínio cognitivo, maiores do que aquilo que seria esperado para as idades.

"São casos que consideramos clínicos, que poderão vir a ser diagnosticados como demência ou Alzheimer ou outro tipo de demência", disse, indicando que os casos mais graves, aos quais não precisou, foram remetidos para a Delegacia de Saúde local, para o devido acompanhamento.

Questionada se os resultados têm a ver com os fatores de riscos apontados no estudo, Sandra Freitas disse que não sabe responder com base em dados de uma única região e também porque em Portugal ainda não sabe se os casos têm a ver com a exposição aos metais.

A equipa, prosseguiu, vai agora cruzar os resultados dos vários locais e tirar conclusões, que só poderão ser avançadas no final do projeto de investigação, que será alargada à ilha cabo-verdiano do Maio, a mais próxima da de Santiago.

Sandra Freitas referiu que as pessoas nunca tinham realizado uma consulta de avaliação clínica deste tipo, por falta de recursos, e que a maioria mencionou queixas de memória, como esquecimento, com implicações no seu dia-a-dia.

Para prosseguir com um tratamento, disse que o primeiro passo é fazer avaliação neuropsicológica e existir capacidade por parte dos serviços de saúde de identificar esses casos o mais cedo possível.

"Se há uns anos, a demência e a doença de Alzheimer estavam associadas a idades mais tardias, a literatura científica revela-nos cada vez mais que a doença de Alzheimer é cada vez mais precoce. Qualquer pessoa que passe os 50-55 anos, deve começar a estar mais atenta à sua memória, a sua capacidade cognitiva e a perceber que alterações vão surgindo no seu dia-a-dia", apelou a investigadora.

Depois disso, afirmou que as pessoas devem ter acesso à consulta de neurologia para a confirmação do diagnóstico e seguidamente receber medicação ou sessões de estimulação cognitiva para que a perda não seja acelerada e tão acentuada ao longo do tempo.

A equipa de investigação portuguesa foi constituída por duas neuropsicólogas clínicas e três na área de geomedicina.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.