Cuba

Inundações impedem regresso a casa

Inundações impedem regresso a casa

 

Lusa / AO online   Internacional   8 de Nov de 2007, 17:25

Pelo menos 42 mil cubanos continuam impedidos de regressar às suas casas inundadas e as autoridades encerraram uma mina de níquel na sequência da tempestade tropical Noel da semana passada, anunciaram quarta-feira os media locais.
A Agência noticiosa oficial Prensa Latina disse que 40 mil das 100 mil pessoas retiradas na província Granma devido a semanas consecutivas de chuva, exacerbadas pela tempestade tropical da semana passada, estão ainda em casa de familiares ou amigos ou em abrigos do Estado.

A televisão governamental mostrou residentes chapinhando na água e carregando com sacos de cereais aos ombros. Camiões militares deslocam-se ruidosamente pelas localidades do Leste, fazendo chegar os alimentos e materiais de construção a áreas que já são consideradas seguras para o regresso dos deslocados.

A Noel, que atingiu Cuba a 31 de Outubro, obrigou também a retirar dezenas de milhar de pessoas nas outras províncias do Leste e centro da ilha mas há notícias contraditórias sobre o número de residentes que foram forçados a abandonar as casas nas áreas fora de Granma.

As fortes chuvas da Noel e as inundações mataram 148 pessoas e deixaram dezenas de milhar sem casa um pouco por toda a parte nas Caraíbas. Não se registaram mortes em Cuba, onde a chuva diminuiu de intensidade e a água das inundações desce gradualmente nalgumas áreas.

Há ainda 20 mil casas danificadas em toda a ilha e metade das vias rápidas das províncias do Leste estão inundadas, informaram os jornais estatais.

As operações na fábrica de níquel Rene Ramas Latour, em Mayari, foram suspensas terça-feira depois de o edifício principal ter ficado inundado, disse a rádio estatal.

Cuba é um dos maiores produtores mundiais de níquel. A fábrica de Rene Ramos Latour produz quase 12.500 toneladas de óxido de níquel anualmente.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.