Sociedade

Governo lança base de dados sobre violência doméstica

Governo lança base de dados sobre violência doméstica

 

Lusa/AO online   Regional   16 de Nov de 2011, 13:33

O Governo dos Açores apresentou uma plataforma na Internet que permite aos profissionais ter um registo actualizado sobre as vítimas da violência doméstica, possibilitando uma caracterização permanente deste fenómeno social na região.
“Esta ferramenta vai permitir a qualquer momento tirar uma ‘fotografia’ das várias dimensões do fenómeno da violência doméstica na região”, afirmou Natércia Gaspar, directora regional da Solidariedade e Segurança Social, revelando que existem actualmente "687 situações sinalizadas e acompanhadas em toda a região".

A base de dados hoje apresentada será "alimentada" por todas as instituições que trabalham na área da violência doméstica, sendo garantida a privacidade das vítimas.

“Os centros de atendimento e as casas abrigo vão, mediante o conhecimento que têm das situações, introduzindo os dados, mas nunca se saberá a identificação das vítimas", afirmou Natércia Gaspar, acrescentando que a Direcção Regional da Solidariedade e Segurança Social e o Instituto para o Desenvolvimento Social dos Açores "terão acesso à informação”.

Esta recolha de dados, segundo Natércia Gaspar, vai "complementar a informação que existe no Ministério da Administração Interna", recordando que, apesar de os únicos dados disponíveis na região serem os que chegam através de denúncias nas forças policiais, "a experiência revela existir um conjunto enorme de situações que não chegam à PSP".

Natércia Gaspar salientou ainda que esta nova ferramenta também permitirá "uma caracterização socioeconómica das vítimas, dos agressores e do tipo de actos praticados", o que será importante para definir "estratégias de prevenção e protecção da vítima e prever situações de risco iminente".

A diretora regional admitiu que "têm vindo a aumentar o número de denúncias de casos de vítimas de violência" nos Açores, mas frisou que isso "não significa que a prevalência do fenómeno aumente".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.