Governo fixa novo resgate de quota em 40 cêntimos por quilo

Governo fixa novo resgate de quota em 40 cêntimos por quilo

 

Lusa / AO online   Regional   28 de Nov de 2007, 20:50

O Governo açoriano vai pagar 40 cêntimos por cada quilograma de quota de produção de leite que os lavradores das ilhas queiram vender, no âmbito de um novo resgate de direitos de produção para reestruturar o sector.
O valor foi fixado por uma portaria da secretaria regional da Agricultura, que prevê que os primeiros pagamentos por conta do novo resgate sejam efectuados a partir de Junho do próximo ano, sendo o remanescente liquidado a partir de Maio de 2009.

Esta nova operação terá efeitos no próximo ano agrícola - a iniciar em Março de 2008 - e, segundo o executivo regional, para aprovação de candidaturas foram estabelecidas prioridades relacionadas com "o grau de sanidade das explorações e dimensão da quota atribuída ao produtor em referência".

"A operação terá, ainda, em conta questões como os apoios concedidos pela União Europeia às diferentes candidaturas", acrescentou o Governo Regional.

Com este resgate de quota leiteira, o executivo açoriano pretende dar seguimento à modernização estrutural e ao crescimento de rendimentos do sector.

Para o presidente da Associação Agrícola de São Miguel, o montante fixado "agrada", alegando tratar-se de um valor que foi reivindicado e acordado numa reunião com o presidente do Governo açoriano.

"Era uma reivindicação nossa, mas com a `nuance´ de aumentar para 10 milhões de litros de quota que vai ser resgatada a nível dos Açores e distribuída pelos agricultores da região", sustentou à agência Lusa Jorge Rita.

O dirigente associativo lembrou que a aplicação de um novo resgate de quota leiteira nas ilhas constitui o melhor instrumento de reestruturação do sector, perspectivando que a medida possa permitir entre "300 a 400 produtores deixarem o sector de forma digna, com algum rendimento".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.