Internet

Google e Yahoo! podem renunciar a acordo sobre publicidade


 

Lusa/AOonline   Economia   31 de Out de 2008, 10:18

Os dois grupos de Internet norte-americanos Google e Yahoo! podem renunciar à sua parceria comercial em publicidade, que está a ser avaliada pela justiça norte-americana, por falta de progresso nas negociações tripartidas, indicou o Wall Street Journal.
As duas empresas, que discutem com as autoridades norte-americanas há várias semanas, não conseguiram chegar a um acordo com o departamento de Justiça, que ameaça bloquear a parceria por falta de concessões, referiram fontes próximas do processo, citadas pelo diário.

    O Google e a Yahoo! reuniram-se com responsáveis do departamento de Justiça na quinta-feira.

    A empresa Google anunciou no início de Outubro que a aplicação da sua parceria com a Yahoo!, inicialmente anunciada para Junho, iria ser atrasada até terminarem as discussões com o departamento de Justiça, que deve pronunciar-se sobre a conformidade desta parceria com as leis da concorrência norte-americanas.

    Na semana passada, a direcção da Yahoo! indicou, à margem da apresentação dos resultados trimestrais do grupo, que prosseguiam as negociações com o departamento de Justiça.

    “Esperamos poder garantir aos nossos clientes os benefícios desta parceria tão rapidamente quanto possível”, indicou o patrão da Yahoo!, Jerry Yang.

    Esta parceria de longa duração foi anunciada em Junho numa altura em que a Yahoo! estava em pleno braço de ferro com o gigante informático Microsoft, que pretendia comprar a empresa.

    O acordo permitiria à Yahoo! apresentar nas suas páginas relações patrocinadas, negociadas pelo Google, repartindo os lucros daí gerados.

    O Google e a Yahoo! garantem mais de 50 por cento das receitas mundiais de publicidade na Internet.

    As duas empresas são responsáveis por 75 por cento das pesquisas efectuadas na Internet.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.