EUA

General Petraeus recomenda diálogo com os inimigos


 

Lusa/AOonline   Internacional   9 de Out de 2008, 11:30

O general norte-americano David Petraeus considerou quarta-feira que devem ser efectuadas tentativas para abrir um diálogo com os rebeldes talibãs no Afeganistão, recomendando aos Estados Unidos adoptar essa estratégia com os seus “inimigos”.
“Creio verdadeiramente que devemos falar aos inimigos”, afirmou Petraeus, perante um grupo de reflexão conservador, a fundação Heritage, sem referir a que “inimigos” se referiu.

    Mas “é preciso ser bem claro. Devemos saber com quem falar. Devemos ter objectivos claros”, prosseguiu.

    O general Petraeus, antigo comandante da coligação no Iraque e responsável pela melhoria da segurança, prepara-se para assumir funções de comandante das tropas norte-americanas nas guerras do Iraque e do Afeganistão.

    Petraeus saudou a iniciativa do presidente afegão Hamid Karzaï relativamente à organização, via Arábia Saudita, de conversações com os talibãs, sublinhando igualmente a existência de “iniciativas locais”.

    “A chave é estar seguro de que tudo é feito em clara coordenação e com o apoio integral do governo afegão e do presidente Karzai”, afirmou.

    “Se as pessoas estão dispostas a reconciliar-se, creio verdadeiramente que será um passo em frente em certas zonas, onde a situação se agravou durante o último ano”, acrescentou o general norte-americano.

    As palavras do general Petraeus surgem depois do segundo debate televisivo entre os dois candidatos às eleições presidenciais norte-americanas.

    A noção de diálogo com os inimigos é um ponto de discórdia entre os dois candidatos: o democrata Barack Obama está a favor e o republicano John McCain contra.

    Consciente de que as suas palavras surgem num clima político particular, o general indicou que não pretende imiscuir-se “nas questões de política interna”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.