Funcionários públicos chamados a ‘pagar’ redução do défice

Funcionários públicos chamados a ‘pagar’ redução do défice

 

Lusa/AO Online   Nacional   13 de Out de 2011, 08:25

Os funcionários públicos vão ser novamente chamados a 'pagar' a fatura da redução da despesa do Estado, mas a magnitude do esforço de contenção só será confirmada com a apresentação da versão final do Orçamento do Estado para 2012.

Para além da emblemática redução média de 5 por cento nos salários dos funcionários públicos e o congelamento dos salários durante mais dois anos - havendo ainda margem para "aperfeiçoamentos" que podem passar por reduções adicionais -, os trabalhadores do Estado enfrentam um conjunto de restrições que vão encurtar ainda mais o rendimento disponível das famílias, passando, entre outras, pelas seguintes medidas:

- Redução média de 5 por cento dos salários do setor público aplicada em 2011 irá manter-se em 2012, eventualmente com os aperfeiçoamentos considerados necessários;

- Aumento da idade mínima para antecipação da reforma, que passa dos 55 para os 57 anos;

- Racionalização das horas extraordinárias e ajudas de custo, que contribuirá para reforçar o objetivo da redução das despesas com o pessoal;

- Revisão das carreiras ou categorias da função pública que ainda não foram adaptadas ao novo regime de vínculos, carreiras e remunerações;

- Revisão dos suplementos remuneratórios, nalguns casos no contexto da revisão das carreiras e corpos especiais aos quais estejam associados;

- Congelamento dos prémios atribuídos aos gestores, diretores e administradores das empresas públicas, do Setor Empresarial do Estado, dos setores empresariais regionais e municipais e dos institutos públicos até ao fim do programa de assistência económica e financeira

- Agravamento do corte salarial já existente para os funcionários públicos em situação de mobilidade especial

- Equiparação dos salários e horas extraordinárias dos médicos e enfermeiros que trabalhem nos hospitais com gestão empresarial, que vão passar a ser equiparados aos dos restantes trabalhadores do Estado

- Redução de despesas com pessoal na ordem dos 2,6 milhões de euros na área da Cultura;


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.