Açoriano Oriental
Fesap equaciona greve da função pública em 31 de janeiro contra aumentos de 0,3%

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) está a "equacionar" realizar uma greve em 31 de janeiro, apelando a "todas as estruturas sindicais" que se juntem na resposta ao Governo sobre aumentos salariais de 0,3% em 2020.

Fesap equaciona greve da função pública em 31 de janeiro contra aumentos de 0,3%

Autor: Lusa/AO Online

A posição da Fesap, estrutura da UGT, surge depois de hoje a dirigente da Frente Comum, afeta à CGTP, Ana Avoila, ter hoje ao final da manhã anunciado uma manifestação nacional da função pública, em 31 de janeiro, em Lisboa.

"A Fesap equaciona realizar uma greve nacional em 31 de janeiro, que poderá ser de mais dias, porque considera que é curto realizar apenas uma manifestação, perante a ofensa que é a proposta do Governo de aumentos de 0,3% após dez anos de congelamento", disse à agência Lusa o líder da Fesap, José Abraão.

A decisão da Fesap surge depois de esta estrutura sindical ter enviado uma carta aos dirigentes da Frente Comum e do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) no sentido de as três estruturas concertarem posições, após ser conhecida a proposta de atualização salarial do Governo, referiu José Abraão.

"Apelamos a todas as estruturas sindicais que deem uma resposta que conduza o Governo a alterar esta posição", frisou.

O dirigente da Fesap considerou ainda que a greve em 31 de janeiro "deverá ser acompanhada pelos trabalhadores do setor privado, uma vez que a proposta de 0,3% de aumentos vai acabar por influenciar negativamente a negociação coletiva".

José Abraão remeteu mais detalhes sobre a ação de luta para a conferência de imprensa da UGT que se realiza sexta-feira, após a reunião do Secretariado Nacional.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.